Mostrando postagens com marcador bate volta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bate volta. Mostrar todas as postagens

12.1.12

Bate-Volta em Paraty - parte 2

E aí, vocês ficaram morrendo de vontade de ver a continuação desse passeio incrível? Então vamos a ela!

Lembram quando falei do almoço a bordo? Pois bem, após a primeira parada, os tripulantes passam por todos os passageiros com cardápios e nele constam três opções de refeição para que seja feita uma reserva, assim, as cozinheiras farão a quantidade certa de comida, no tempo exato. As opções foram: Filé de peixe ao molho de camarão, Peito de frango empanado e Strogonoff de frango, todos os pratos acompanham arroz branco, legumes cozidos, salada e custam R$ 25,00. Na escuna funciona um bar/restaurante e são vendidos cerveja R$ 4,50, refrigerante R$ 4,00, água R$ 3,00, sucos R$ 5,00, drinks R$ 10 - 16, cachaça R$ 7,00 e petiscos R$ 20 - 36.

Lagoa Azul, parada do almoço

Almoço a bordo

Outras escunas na Lagoa Azul

O almoço é servido no terceiro ponto, confesso que eles capricharam na escolha dessa parada. Atracamos por volta das 14:30 na Lagoa Azul, uma ilha perfeita, de águas verdes (?) e fizemos uma deliciosa refeição. Pensei que seria desorganizado por ter muita gente na escuna, mas não, é tudo bem organizado e limpo. Ponto positivo para a Estrela da Manhã. Quem optou por não comer algo pode aproveitar pouco mais de 1h de banho de mar. Vidão mesmo!

Barriga forrada, rumamos à simpática praia do Saco da Velha, última parada do passeio. Até pensei que o almoço daria uma desanimada no pessoal, ledo engano, parecia que o passeio havia acabado de começar. Haja pique! Todo mundo desceu e se esbaldou novamente num mar inacreditavelmente cristalino. Sem dúvida alguma nesse passeio eu vi as paisagens mais lindas que tenho ideia. No fim da última parada, já a caminho do cais, o tempo deu uma virada, parecia algo programado. Antes do fim do passeio os tripulantes passam as comandas com os valores finais do consumo a bordo + entradas, o pagamento pode ser feito no cartão de crédito, mas isso só descobrimos após pagar em dinheiro. Ah, na nossa escuna havia uma banda, então, saibam que rola um couvert artístico na conta também. Tudo resolvido, é só esperar a hora da escuna atracar e desembarcar.

Praia do Saco da Velha

A cor da água é fascinante, não?

Barquinhos no Saco da Velha

Para chegar ao carro fomos caminhando pelas ruas do centro histórico da cidade, o que nos despertou ainda mais vontade de voltar e dedicar um tempo justo para conhecer todas as belezas de Paraty.  O passeio de escuna é coisa de um dia inteiro, mas vale muito a pena. Mesmo. Já quero fazer de novo… e de novo!

Casario do centro histórico de Paraty

Casario do centro histórico de Paraty

Casario do centro histórico de Paraty

Vivendo em harmonia

Igreja


E fica a dica, faça o passeio, se possível, na alta estação. O sol tem que ser o companheiro inseparável daquele mar. Ah, e use bastante filtro solar!

TODAS AS FOTOS DE PARATY NO FLICKR DO RAPHANOMUNDO

11.1.12

Bate-Volta em Paraty - parte 1


Como parte do planejamento para a viagem a Ubatuba, pesquisamos o que que poderia ser feito por lá e soubemos de vários passeios de escuna pelas praias da cidade. O marido ficou de se informar se valeria mesmo  a pena contratar o passeio em Ubatuba e descobriu que, se a nossa vontade era passear de escuna, que fossemos a Paraty - RJ, a 60 km da nossa pousada. Eu fiquei meio com pé atrás, afinal já havíamos andado 250 km, mas topei. Demos umas olhadas nas opções de barcos no próprio site da cidade e já fomos com alguns nomes em mente. Na quinta-feira, o céu aberto e o sol apareceram, tal qual fizeram na quarta. Não tivemos dúvidas, organizamos tudo, tomamos café e pegamos a estrada rumo a Paraty. As únicas informações que tínhamos: 1 - os barcos partem às 11 da manhã e 2 - tem um estacionamento junto ao cais.

A estrada Rio-Santos (BR 101) é muito boa, tem vistas lindas e a viagem passa rapidinho. Chegando em Paraty é só pegar a rua principal e ir sempre em frente que você chegará no centro e logo descobrirá onde fica o cais. Para nós não foi tão fácil porque nosso GPS tava meio maluco e não deu o caminho certo, deixamos o carro num estacionamento um pouco mais afastado (R$ 10,00 o dia), mas organizado também. 

A caminho de Paraty

Mirante

Rio-Santos

Chegando ao cais você vai se deparar com uma grande muvuca e as mesas, do lado direito, onde os funcionários das escunas efetuam as vendas. São muitos barcos, de todos os tipos e tamanhos, com música, sem música. Nos foi recomendado pegar um barco grande e assim o fizemos. Nosso barco, o Estrela da Manhã IV, tinha capacidade para 175 passageiros e 3 tripulantes. Uma escuna grande, de 2 andares e bem veloz. O valor do passeio, por pessoa, ficou por R$ 35,00. São 5 horas de duração (como havia muita gente no nosso barco o passeio se estendeu para 6 horas e meia), com paradas em 4 ilhas/praias, a bordo são servidas frutas da estação e cafezinho após o almoço. 

Muvuca no cais de Paraty

Diversas escunas


Paraty vista da escuna


Ao embarcar você ganha um número que servirá de comanda para o pagamento ao final do passeio. 

Tudo isso posto, vamos ao roteiro. Já acomodados na parte superior da escuna, navegamos pela baía da Paraty rumo à nossa primeira parada, a belíssima Praia Vermelha. Encantadora. 40 minutos de pura beleza. A escuna atraca numa profundidade de 4 metros de águas insanamente claras, onde é possível ver o fundo do mar. 
Para chegar até a beira da praia você pode ir nadando ou esperar o bote, mas sinceramente, você perderá uns bons 10 minutos de esperar o barquinho. Optamos por pular da escuna e cair naquela água maravilhosa. 


Meio do caminho

Praia Vermelha

O bote

Timão @ Praia Vermelha

O tempo passa voando e a vontade é de ficar ali pra sempre, mas vamos à próxima parada, né? Afinal, tínhamos um marzão verde cristalino para explorar. 

Chegamos à Ilha do Algodão, maior ilha da baía de Paraty, considerada um aquário particular. A profundidade da parte onde ficamos atracados era de 8 metros, e aí, o mar verde cristalino deu lugar a um verde mais escuro, mas não menos encantador. Foram mais 40 minutos de mergulhos, peixinhos e uma felicidade extrema de ter a oportunidade de vivenciar esse tipo de momento. 

Ilha do Algodão

O verde escuro da Ilha do Algodão

Barquinho particular

Aquário

Mergulho @ Ilha do Algodão

Deixarei vocês com água na boca e voltarei com a segunda parte dessa delícia de passeio amanhã. Stay tunned!


LEIA A PARTE DOIS

6.12.11

Campos do Jordão: Pousada da Pedra

Nesse fim de semana nós resolvemos fazer um bate-volta em Campos do Jordão. O incentivo para essa viagem curtinha e de última hora, além da comemoração do meu aniversário, foi o excelente desconto do Zarpo, parceiro do blog, que chegou no meu e-mail com a convidativa Pousada da Pedra. As fotos eram belíssimas e o preço, bastante camarada. 

Para o fim de semana, eles solicitavam uma reserva com, no mínimo, duas diárias. No entanto, a gente não queria pegar a estrada na sexta à noite e por isso, optamos por reservar sábado e domingo, mas voltando para casa domingo no final do dia. Como sairíamos muito cedo de casa para chegar em Campos do Jordão em um horário aceitável, escrevi para a pousada perguntando se haveria a possibilidade de tomarmos café da manhã na hora da nossa chegada. A pousada não só me respondeu o e-mail, como tiveram o cuidado de me telefonar para confirmar o café da manhã e dizer que nós poderíamos nos acomodar no quarto assim que fosse liberado, ou seja, um early check-in, visto que o horário correto de entrada seria às 14h. 

Tudo resolvido, fizemos uma pequena malinha e pegamos a estrada às 6:30 da manhã do sábado. Às 9:30 em ponto, já estávamos confortavelmente sentados degustando um farto e delicioso café da manhã na Pousada da Pedra. Recebidos por funcionários extremamente cordiais, só nos restou sentar junto à lareira e tomar um bom café. Bolos, sucos, café, leite, pães, frios, ovos, omelete (maravilhosa), salgadinhos, chás, frutas e cereais faziam parte desse refoçado café oferecido pela pousada. A pousada é um charme só, com uma decoração rústica, mas muito confortável, o espaço te convida para um descanso. Logo após o café nós fomos encaminhados para o nosso quarto, que ficava no segundo andar, mas antes disso, fomos apresentados à sala de convivência e ao gazebo. Ambientes incríveis que fazem a gente se arrepender da viagem ser só um bate-volta. 


Nossa mesa do café da manhã

Frutas

Deliciosa omelete de peito de peru

Pães e decoração natalina

Bolo fofinho


O quarto é bem agradável, muito confortável e cheiroso. Tem guarda-roupa, lareira, frigobar, tv de lcd e aparelho de dvd. O banheiro segue a linha do quarto, amplo, com amenities cheirosíssimas e secador de cabelo. A internet wi-fi funciona bem nas áreas comuns e não pega nos quartos. Lá na recepcão, você encontra a DVDteca da pousada com vários títulos que agradam gregos e troianos. É só escolher o que mais te apetece, mostrar ao funcionário para ele registrar a retirada e ir ver o filme no seu quarto. Uma ótima pedida, não?


O aconchegante gazebo


Lareira, frigobar, TV e DVD no quarto

Cama king size

Teto de madeira

A área externa da pousada conta com vários cantinhos especiais. Bons para tomar um bom vinho ou até mesmo jogar conversa fora. Também encontramos uma sala de massagem e ofurô, mas conhecer e provar esses itens só indo numa próxima vez (e certamente haverá). Ficamos fãs da Pousada da Pedra. Com certeza  o  relacionamento mais próximo e cordial das pessoas influenciam bastante nesse resultado, mas um lugar como Campos do Jordão pede algo mais aconchegante como uma pousada e menos frio como um hotel. E a Pousada da Pedra nos proporcionou esse conforto na medida certa!


Área externa

Lanternas da área externa



Se você quer conhecer a Pousada da Pedra e ainda pagar um precinho camarada, não perca tempo! Cadastre-se no Zarpo hoje mesmo e garanta já sua hospedagem. Essa oferta acaba em 2 dias! Se não der para aproveitar agora, não tem problema, cadastre-se assim mesmo e receba no seu e-mail ofertas de hoteis do mundo inteiro.

MAIS FOTOS NO FLICKR DO RAPHANOMUNDO

29.8.11

Berlim em 1 dia

Um amigo nosso nos disse que tem planos de ir a Berlin, para passar apenas um dia. Na verdade ele quer fazer um bate volta a partir de Praga e nos pediu além das dicas básicas sobre quais pontos turísticos visitar, onde fazer umas comprinhas de eletrônicos e também, onde comer bem e barato!

Escrevemos este mini roteiro a quatro mãos, o marido e eu, para não esquecermos nada!


Antes de mais nada, é preciso chegar em Berlin, de forma barata. Existem duas soluções: ônibus e/ou trem. Esta não é uma solução rápida, já que a viagem entre as duas capitais dura em média 4h30, mas é viável. Sugerimos que ele vá de trem e volte de ônibus. O primeiro trem saindo de Praga com destino a Berlin parte as 6h31 com chegada prevista para 11h14 na Hauptbahnhof (Estação central). O último ônibus saindo da ZOB (Rodoviária) berlinense com destino a Praga sai as 23h55, com chegada prevista para as 5 da manhã (há outra opção que sai as 23h30 e chega as 7h30 da manhã). Verificamos os preços com duas semanas de antecedência e eles estão em torno dos 30€ para cada trecho. Outras opções de ônibus, podem ser encontrados na Eurolines.

Uma vez em Berlin, assim como deve ser feito em qualquer cidade, deve-se conseguir um mapa! O que recomendamos aqui é procurar no guichê de informações turísticas da Hauptbahnhof ou na loja da BVG (operadora do transporte público de Berlin), este mapa: “Berlin entdecken mit Bahn und Bus”/”Descobrindo Berlin com metrô&trem e ônibus”. Este mapa localiza os cartões postais da cidade e mostra os trajetos dos metrôs, trens e ônibus (Bus ou Metrobus – para nós, o meio de transporte ideal para um passeio de um dia)

Próximo passo é garantir o seu Tageskarte (Ticket válido por um dia) para as zonas AB, que custa 6,30€. Por este valor, você poderá subir e descer quantas vezes quiser de qualquer transporte público em Berlin, nas zonas AB (que incluem todo o centro mais a grande Berlin, incluindo a ZOB, o Aeroporto Tegel e o Wannsee e excluindo Potsdam e o Aeroporto Schönefeld, que ficam ambos na zona C). Você pode comprá-lo nas máquinas de auto atendimento na Hauptbahnhof ou na loja da BVG - onde você receberá todos os mapas que você precisa! Partindo da Hauptbahnhof que, pelo seu tamanho e arquitetura já constitui um ponto turístico em si, é possível, caminhando, cruzar o Spree em direção a Platz der Republik, onde você poderá ver o Reichstagsgebäude, a casa do parlamento alemão.







Continuando a caminhada, cruzando um pedacinho do Tiergarten, você encontrará o monumental portão de Brandenburg e a Unter den Linden. Seguindo o passeio na direção da Potsdamer Platz, uma parada para visitar o Memorial do Holocausto.
Aqui, se a fome apertar, a dica é visitar o Alt-Berliner Wirtshaus, fica a uma quadra de distância do Memorial do Holocausto, serve comida tipicamente alemã – pesada e farta – a preços muito convidativos, além da possibilidade de tomar uma deliciosa cerveja.

"Vários restaurantes fazem um menu de almoço até às 16h, que é um pouco mais em conta e também são bem servidos... Na Friedrichstraße por exemplo tem um restaurante oriental quase na frente da estação de U-Bahn (U6) Oranienburger Tor, que tem um buffet de comida oriental "All you can eat", paga um preço fixo e come o que quiser, neste, se não me engano, o valor até as 16h é menos de 10€ (vale a pena). Pertinho daqui você também pode comer um delicioso italiano, só que um pouco mais caro."

Para facilitar a logística, na frente do Alt-Berliner é possível pegar o Bus 200 com sentido a Potsdamer Platz ou ir passeando - são apenas duas paradas de distância.

No geral, você consegue visitar toda Berlin de Bus, achamos o melhor jeito porque as distâncias são curtas, não tem muito trânsito e alguns ônibus são double-decker e você pode ficar no 1º andar curtindo a viagem, tirando fotos, etc. Quando você compra um Tageskarte, você não precisa validá-lo porque tem a data impressa, mas lembre-se de mostrá-lo para o motorista do Bus, caso contrário você pode levar uma bronca!

Daqui, sugerimos duas opções: como nosso amigo é engenheiro, ele pode seguir a partir da Potsdamer Platz de U-Bahn (U2) até o Deutsches Technikmuseum ou, com o Metrobus M41 sentido Sonnenallee, se deslocar uma parada (oi ir andando) para visitar o Topographie des Terrors e continuar o passeio no sentido da Friedrichstraße até o Check Point Charlie (referência é a estação de U-Bahn Kochstraße). Aqui você passará pelo Berlin Hi-Flyer.

Nesta região, se houver tempo, o Jüdisches Museum merece uma visita:  

"Dica para fazer uma pausa e comprar algumas coisas antes de continuar o passeio. Na Leipzigerstraße - referência é a estação de U-Bahn (U6) Stadtmitte - tem um supermercado da rede Kaiser’s, com uma padaria fantástica dentro. Ou seja, além de poder comprar várias coisas de supermercado pra lanchar, chocolate, água ou até bebidas alcoólicas, também é possível comprar itens de padaria: pães, Bretzel (que é fantástico, apenas salgado ou com manteiga), muitas tortas e alguns itens de almoço: Sopa com pão por 1 euro, salsicha com pão e mostarda (1,50 euro, muito bom!), enfim... dá pra comer muito bem!"







Tomando como referência a Kaiser’s na Leipzigerstraße, é possível seguir com o Metrobus M48 com direção a Alexanderplatz  – Aqui, vale a pena descer na Rotes Rathaus e ir andando em direção à Alexanderplatz!



Neste ponto precisamos fazer um adendo sobre compras: o lugar pra tudo é aqui! Tem a Galeria Kaufhof, que tem absolutamente tudo que um ser humano precisa (risos). Num dos andares há um espaço exclusivo para saldos. Fora isso, se você quiser comprar umas roupas básicas, mas legais num preço muito bom, recomendamos a H&M do shopping Alexa.
Já em relação a eletrônicos, nas redondezas há a Saturn que em termos de preço e de variedade, compete com a Media Markt, que fica no shopping Alexa. Se você só tiver tempo de ir em uma, vai direto no Shopping Alexa, porque lá tem de tudo. Lembre-se que em ambas as lojas de eletrônicos, eles só aceitam dinheiro!!! Nas outras, aceitam cartão de crédito também... O horário comum para o fechamento das lojas em Berlin é 21h entre segunda e sábado! Vale a pena confirmar o horário de alguma loja específica antes, para não se decepcionar.

Depois do passeio pela Alexanderplatz, o próximo ponto é a East Side Gallery - trecho do muro que ficou de pé e exibe pinturas de vários artistas do mundo inteiro – ... Você tem que ir de S-Bahn (trem) até a estação Ostbahnhof e de lá ir andando no sentido da Oberbaum Brücke.

Entre a East Side Gallery e a Oberbaum Brücke há a possibilidade de embarcar num dos passeios de barco pelo Spree.





Neste ponto note que você já está na antiga Ost Berlin. A cidade muda um pouco de visual, mas para notar isso de forma mais clara, recomendo, depois de passear pela East Side Gallery, caminhar na direção da estação de U-Bahn Warschauer Strasse. Na frente desta estação tem o terminal do Tram M10 com sentido a Nordbahnhof. Recomendamos fazer este trajeto de Tram! É um passeio muito interessante pela antiga Alemanha oriental, completamente diferente do que se vê no resto da cidade em termos de arquitetura e riqueza! Lembramos do filme Adeus, Lenin! quando estávamos lá.

Antes do terminal Nordbahnhof, tem um lugar onde algumas partes do muro não foram derrubadas, assim como uma torre de vigilância, que serviam para impedir que as pessoas tentassem fugir para o lado ocidental, inclusive a tiros. Chama Gedenkestätte Berliner Mauer.


Já na Nordbahnhof, seguir de S-Bahn de volta para a Alexanderplatz para fazer o Tour com o Bus 100 até a Zoologischer Garten. Com o Tour do Bus 100 vai ser possível visitar os outros pontos da cidade que ainda faltam.



Na Zooligischer Garten, para quem tem tempo e gosta, vale visitar o Zoo e aquário!

Nas redondezas da Zoologischer Garten tem vários lugares onde você pode parar para comer, tem de supermercado até cafés convencionais, passando por Mcdonalds, KFC, restaurantes alemães, barraca de morango, padaria, etc. Vale uma pausa!

Seguindo o passeio com o bus M45 Spandau, Johannesstift - Vá com ele até o Schloss Charlottenburg. É um castelo bonito e tem uma atmosfera boa porque muita gente vai fazer exercícios nos jardins.

Volta de lá com o mesmo Bus M45 para a Zoologischer Garten e, se ainda houver tempo, dá pra passear pelas várias lojas e grifes da Kurfürstendamm, notadamente a KaDeWe, Karstadt e principalmente pra nós, a livraria Hugendubel.

Para matar o tempo antes de pegar o ônibus de volta a Praga, é possível tomar uma boa cerveja em algum bar aberto que funciona no verão – Há vários em vários pontos do Spree, nós gostamos do Capital Beach em frente a Hauptbahnhof, do Strandbar Mitte à beira do Spree e de frente pro Boden-Museum e também o Strandgut Berlin, na East Side Gallery. Ou também, consumir bebidas no único vagão onde você não será repreendido: Train Cocktail Bar.

Pra fechar e não menos importante, a ZOB (Rodoviária) pode ser acessada de três formas: de S-Bahn (trem) - Estação Messe Nord, de Bus M49 ou de U-Bahn (metrô) - Estação Kaiserdamm.

Antes de concluir, da nossa parte, duas coisas:
  • Não somos fãs de um bate volta tão distante, mas Berlin vale a visita - nem que seja por um dia;
  • Esta é a Berlin que conhecemos e quisemos compartilhar com vocês e com um amigo que não tem tempo de descobrir Berlin por conta própria. Este roteiro não é regra, nem melhor nem pior do que nenhum outro, é apenas o nosso.

Os sábios dizem que recordar é viver – mas nós aqui estamos morrendo, de saudades!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...