O itinerário da nossa viagem foi o seguinte: santos | rio de janeiro | navegação | salvador | ilhéus | navegação | ilhabela | santos. Os dias de navegação são aqueles em que o navio não atraca em porto algum e passamos mais de 24h em alto mar, navegando a 60 milhas da costa com uma profundidade de mais ou menos 1.000 metros. Informação útil: enquanto estamos navegando o celular não funciona de jeito nenhum. Mas não é preciso se preocupar, o navio conta com internet point e wi-fi por todos os ambientes, porém o preço é salgado (10 dólares a hora ou 24 por 3 horas ou 0.50 centavos por minuto) é só escolher uma das modalidades e não perder o contato com ninguém. No nosso caso, escolhemos a rehab da internet/celular e só utilizamos o telefone quando o navio estava nos portos.

saindo de santos

A saída do Porto de Santos é bem bonita e a mais comemorada, pois é o pontapé inicial da viagem da maioria dos passageiros do navio. Na verdade a vista que temos de todos os Portos tanto na chegada quanto na saída são as melhores possíveis. Já tinha visto todas as cidades sob vários ângulos, mas sem dúvida esse novo olhar já é o meu preferido. 

saindo de santos

santos vai ficando pra trás

A chegada no Rio de Janeiro pela manhã cedinho é espetacular, o mar parecia uma lagoa, calmíssimo, com uma névoa fraquinha no horizonte. Me senti privilegiada por poder presenciar tamanha beleza.

a caminho do rio de janeiro

propriedade da marinha com a ponte rio-niterói ao fundo

o organizado pier mauá


O navio partiu do Rio às 17h e o que eu achava perfeito atingiu um nível que eu não tenho nem palavras. O por do sol que presenciamos foi inesquecível. É o tipo de coisa boa que a gente deseja que todo mundo     veja/sinta um dia

por do sol na saída do rio de janeiro

cenário melhor impossível: rio de janeiro
rio de janeiro


A jornada do Rio a Salvador é longa. Saímos às 17h do domingo da capital carioca e só chegamos à capital baiana às 10h da manhã da terça. Posso dizer que no geral é uma viagem tranquila, mas depedendo da velocidade do vento e da posição o navio pode balançar um pouco, nada assustador. Porém, para pessoas mais sensíveis isso pode trazer algum pequeno desconforto. Nada que um dramim não resolva. A dica é a seguinte: quanto maior o navio menor o balançado. Então, se você tem labirintite ou estômago sensível tem que pagar um pouco mais caro para viajar em um navio maior. A bordo do Costa Serena muitas vezes nem lembramos que estamos dentro de um navio. É incrível.


a caminho de salvador

Como sou bem familiarizada com Salvador lá de longe já dava para desvendar a bela visão: Farol da Barra, Rio Vermelho, Campo Grande e o Forte de São Marcelo. Inconfundíveis! Ficamos atracados super perto do Mercado Modelo e bem aos fundos do Pelourinho. Lugar excelente.


salvador se aproxima - farol da barra

águas claras da baía de todos os santos


forte de são marcelo - salvador


porto de ilhéus


O Porto de Ilhéus é bem pequeno, mas com bom acesso às praias e ao centro da cidade. O por do sol da saída da terra do cacau também foi belíssimo. Por sorte pegamos os 7 dias de sol forte e céu bem azul.

saindo do porto de ilhéus




por do sol em ilhéus



A última parada antes do desembarque é em ilhabela, já em águas paulistas. Águas cristalinas, por sinal. Em ilhabela o procedimento é diferente, o navio não atraca em um porto ele fica ancorado um pouco longe da beira da praia e aí os barquinhos salva vidas entram em ação. Do meio dia às 21:30 barquinhos faziam o trajeto pra lá e pra cá, levando e trazendo turistas para conhecerem a ilha famosa pela sua beleza e pela quantidade de mosquitos borrachudos. Esse último motivo me fez ficar no navio e não ir para a terra firme, pois sou alérgica a insetos e garanto que minha viagem não teria um final feliz. 


o navio que estava em ilhabela

barcos salva vida para fazer a viagem até a terra firme - ilhabela



orla de ilhabela

Acho que  dá pra se ter uma ideia de como é legal poder ver as cidades que já conhecemos com um novo olhar. Essa viagem foi especialíssima em todos os detalhes. Até mesmo aqueles em que nós não somos os responsáveis por organizar.Mais fotos no Flickr