Cunha | Cerâmica / Queima do Raku / Arte espanhola

Para quem visita Cunha, no interior do estado de São Paulo, conhecer alguns ateliês de cerâmica é um passeio obrigatório. Considerada um pólo brasileiro, a arte ceramista da cidade encanta pela diversidade e beleza.

Conversar com os ceramistas, saber como é o passo-a-passo por trás de cada peça e perceber a singularidade  de cada trabalho é mandatório para sair de Cunha sabendo um pouquinho mais do riscado. No entanto, quando existe a oportunidade de ver uma técnica ser executada ao vivo, essa experiência atinge um outro nível de envolvimento. E, automaticamente, o grau de admiração por esse trabalho aumenta.

E foi essa a sensação que tivemos ao participar da Queima do Raku no Gaia Arte Cerâmica. O Raku, técnica de cerâmica japonesa, consiste em queimar as peças – já moldadas e em ponto de biscoito –, num forno que atinge cerca de 1.000 graus. Mali e Wagner, ceramistas responsáveis pelo ateliê, abrem as portas da sua oficina em noites específicas do ano, para receber ali turistas, ceramistas e interessados em aprender um pouco sobre a técnica. Em meio a um bate papo descontraído, Mali nos conta a história do Raku, sobre como ele surgiu na queima das peças para a cerimônia do chá, no Japão.

Enquanto a conversa se desenrola, Wagner, o responsável pelo operacional da coisa, acomoda as peças no forno, fecha,  acende os maçaricos e dá início ao processo. O ponto alto do ritual é, sem dúvida, quando o forno atinge a temperatura correta e, com as luzes do ambiente apagadas, ele é aberto e podemos ver todas as peças incandescentes, lindas, quase vivas, em brasa. Após nosso encantamento, o processo segue, as peças são transferidas para um local com jornal e serragem e abafadas. Por fim, elas são resfriadas, limpas e postas à venda.

As peças do Gaia Arte Cerâmica prontas para a queima

Antes de começar a queima, as peças são acomodadas no forno

Cerâmicas incandescentes, o ponto alto da Queima do Raku

Etapa do resfriamento e limpeza

Cerâmica Raku prontas e lindas

Essa técnica resulta em peças belíssimas, de aspecto singular, pois a única intervenção se dá na sua forma, antes de entrar no forno. Uma vez lá dentro, o resultado depende unicamente do calor e da fuligem. Um trabalho fantástico!

Por falar em bons trabalhos, lembram que falei duas vezes sobre os sousplats do Restaurante Quebra-Cangalha? Por uma providência dos astros, enquanto deixávamos o Gaia Arte Cerâmica – ainda boquiabertos com a Queima do Raku –, passamos na porta da Casa do Oleiro, onde, de longe, avistei vários pratos numa parede. Paramos imediatamente e constatamos que já estava fechado. Notando o movimento lá fora, uma pessoa veio nos atender. Era  Maurício Flausino, oleiro/ceramista (de quem eu já era fã sem saber). De forma muito simpática, ele abriu as portas do seu ateliê para que a gente pudesse conhecer um pouquinho mais das suas peças. Falante, nos contou que foi até a Espanha aprender a técnica e trouxe para o Brasil a beleza desse trabalho. Ouvindo nosso sotaque, ao saber que éramos do Recife, não deixou de enaltecer o trabalho do grande Brennand. Sorte a nossa de conhecer mais essa técnica, mais esse trabalho. Garanti minha peça e aumentei mais ainda o sorriso no meu rosto.

Alguns dos 360 modelos de pratos da Casa do Oleiro

Os pratos em meio a outras peças

Quem diria, que numa pequena cidade de interior do Brasil, ao se fazer uma rápida visita, a gente voltasse pra casa tão engrandecido culturalmente? De fato, Cunha é surpreendente!

  • Gaia Arte Cerâmica - Rua Alcides Barbeta, 250 - Vila Rica - Cunha/SP | Para saber quando será a próxima queima: (12) 3111-3126
  • Casa do Oleiro - Avenida Gerônimo Mariano Leite, 250 - Vila Rica - Cunha/SP | Informações: (11) 2253-6152 
>> O raphanomundo viajou a convite da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura de Cunha

Comentários