No segundo dia acordamos quebrados, porém prontos para passear bastante. Fomos direto para Montparnasse, que por ser um domingo, estava absolutamente tranquilo e agradável. Cafés e restaurantes abertos com suas pequenas mesas nas calçadas, esperavam seus fregueses que contemplariam mais um belo dia na cidade.



Um pouco mais quente que no dia anterior, descemos na Champs-Elysées Clemanceau, pode pudemos apreciar o evento Nature Capitale. Passeamos pela linda e lotada avenida Champs-Elysées, entramos em algumas lojas como Sephora, Adidas, Virgin Megastore e Fnac. Paris está bem mais cheia do que em 2007. Nunca vi tanta gente na minha vida. A linha 1 do metrô, que leva de La Défense até a Château de Vicennes se assemelhava muito com a linha azul do metrô de São Paulo na hora do rush, salvo pela diferença que em Sampa, fica proibida a entrada de animais.




Após o passeio na Avenida mais charmosa da cidade, fomos para a estação Charles de Gaulle - Étoile com direção à Palais Royal - Musée du Louvre, onde fica a já conhecida pirâmide de entrada do museu do Louvre. Dessa vez não entramos no museu, que a julgar pela quantidade de gente, deveria estar insuportavelmente lotado. Ficamos um pouco lá na frente, mas o calor só aumentava. Corremos para o parque mais próximo (ideia nem um pouco exclusiva) e tentamos achar um lugarzinho à sombra.




Eu já disse aqui que sou totalmente a favor do sol se, somente se, houver uma praia onde eu possa ficar a vontade, tomar um banho e uma cerveja bem gelada? Pronto! Paris não tem praia, logo, não existe a necessidade de tanto sol e calor. O passeio se torna incômodo, uma vez que caminhamos muito e, de fato, essa é uma cidade que te convida para uma boa caminhada, mas ficar toda suada e sair cor-de-rosa em todas as fotos, não dá, né?