Como uma viagem não começa só quando a gente sai de casa com a mala na mão, o processo de solicitação de visto também faz parte do planejamento da viagem. Então, se feito com a devida antecedência, as chances de sua viagem não dar certo por causa dessa parte do planejamento são mínimas. 

Por isso, há algumas semanas o marido e eu resolvemos, pensando no futuro e também por precaução, fazer o pedido do visto americano. O que nos motivou foi, além da vontade de visitar o país pela primeira vez em breve, a demora para conseguir agendar uma data – aqui em São Paulo esta espera pode superar 3 meses e meio. 



Antes de tudo, fomos nos informar para descobrir como é o processo, qual a documentação necessária, taxas, etc. Tudo pode ser encontrado na Página de Serviços de Informações sobre Visto da Embaixada dos EUA: http://www.visto-eua.com.br/

É muito importante se informar bem nesta página, pois o processo varia dependendo do tipo de visto que você precisa.

No nosso caso, apenas queríamos solicitar o visto de turismo (B2). O processo iniciou com o pagamento online do agendamento da data da entrevista (valor atual R$ 38). (Não existe mais essa taxa de agendamento. Fonte: Folha de SP) Fizemos isso logo para não perder tempo e só depois continuamos nos informando. Para terem uma idéia, a data mais próxima em São Paulo estava a 3 meses de distância. Recomenda-se imprimir a página de confirmação. Esta taxa é única para um pedido de visto de até 5 pessoas da mesma família. A entrevista também pode ser feita em Brasília, Rio de Janeiro e Recife. A espera varia entre as cidades.

A próxima etapa é preencher o formulário DS-160 através deste link. Este formulário deve ser preenchido e enviado ao consulado no mínimo com dois dias úteis de antecedência da data da sua entrevista. No nosso caso tínhamos 3 meses pela frente, então não nos preocupamos com isto na hora. Pesquisamos sobre o preenchimento do formulário, que documentação você deve ter em mãos para o correto preenchimento (assim como para apresentar no dia da entrevista) e até vimos alguns exemplos de formulários para termos uma idéia do que esperar.

Neste meio tempo, resolvemos adiantar duas coisas:

  • o pagamento da taxa do visto – Cada solicitante deve pagar a taxa (hoje, 140 dólares // 160 dólares  a partir do dia 13/04/2012) diretamente no Citibank, em reais (varia com a cotação do dólar no dia), apresentando o passaporte. É importante apresentar o passaporte na hora, pois no recibo da taxa são impressos o nome e o número do passaporte do solicitante. Nós fizemos isso pessoalmente e com os passaportes originais, mas isso, até onde pesquisamos, não é obrigatório. Outra pessoa pode fazer isto por você, com uma cópia do seu passaporte. Isso deve ser muito útil para moradores de cidade onde não há agência do Citibank.

  • tirar fotos 5x7 que, como vimos previamente, além de uma cópia impressa que deve ser entregue no dia da entrevista, pegamos a versão digital num pen drive para fazer o upload  no formulário.


Cerca de três semanas antes da entrevista, partimos para o DS-160. O formulário é longo, em inglês e deve ser preenchido também em inglês. Certamente esta é a etapa mais importante do processo. Neste formulário são pedidas muitas e variadas informações pessoais, que incluem renda, viagem prevista aos Estados Unidos, lista de países visitados nos últimos anos, endereços e referências de experiências profissionais atuais e anteriores, enfim, um perfil completo de cada solicitante. A minha opinião é que este perfil é que dirá se você terá ou não o visto aprovado.
Ao final, submeter o formulário online significa assinar o mesmo, que na prática, implica em dizer que aquelas informações são verdadeiras.

Formulados preenchidos, deve-se imprimir obrigatoriamente a página de confirmação, sem ela você não poderá fazer a entrevista!

No dia da entrevista, que estava marcada para as 7h15 da manhã, resolvemos chegar um pouco mais cedo para tentar estacionar o carro nas redondezas do consulado. Deu certo, chegamos às 6h e estacionamos na Rua Bento Barbosa. Um flanelinha engravatado combinou o preço, R$5. Existem vários estacionamentos com manobrista e outros que você tem que deixar a chave. Como hoje em dia não é permitida a entrada no consulado com celulares ou qualquer outro aparelho eletrônico, parar na rua foi uma opção razoável, pois nossas coisas ficaram seguras no carro mesmo.

Às 6h da manhã, a fila já estava quase na esquina, cerca de 100 pessoas. A nossa impressão é que a hora marcada para o agendamento é só um controle. Portanto, caso seja possível, o ideal é chegar bem cedo. Mais ou menos uma hora depois a fila começou a andar, tudo pareceu bem organizado, sem tumulto. Primeiro há um check rápido das páginas de confirmação de agendamento, do formulário e das fotos. Para entrar efetivamente no consulado existe também um raio-x, como nos embarques aéreos. Uma vez lá dentro, você é encaminhado para a área de espera, onde há uma bancada de retirada de senhas. Esta é a segunda fila do dia. Neste meio tempo, deve-se escrever o número do cpf no seu formulário – Leve uma caneta!

Para retirar a senha, você diz qual o tipo de visto e obviamente retira apenas uma senha para a família. Logo na seqüência você deve ir ao guichê de pré-entrevista, onde você entrega o passaporte e as páginas de confirmação mais as fotos. A primeira chamada com a senha é para fornecer as impressões digitais. Demorou um pouco para sermos chamados, mas nada incômodo, conseguimos ficar sentados durante a espera (há poucos lugares no geral, então chegar cedo continua sendo vantagem). As digitais são coletadas eletronicamente e os nossos passaportes são devolvidos neste momento. Seguimos para a fila dos guichês de entrevista. Enquanto esperamos, podemos preencher o envelope do SEDEX, que será usado para a devolução dos  passaportes em casa. Mesma família, mesmo envelope. A fila da entrevista é bem longa, mas anda sempre e não há mais a ordem por senha.

Chegada a nossa vez, uma atendente simpática e objetiva nos perguntou em português claro:
  • Qual o parentesco de vocês?
  • Tem filhos?
  • Moram em casa própria?
  • Tem algum bem em seu nome?
  • No que trabalham e onde?
  • Qual o motivo da viagem aos EUA?
  • Já viajaram outras vezes para o exterior? Quais países?


Questões prontamente respondidas, a atendente nos pediu para colocarmos um dedo no leitor de digitais, um de cada vez e, na seqüência, nos informa que os nossos vistos foram concedidos e que deveríamos prosseguir para o pagamento do SEDEX.

Mais uma vez uma fila longa, onde só pode ficar uma pessoa de cada família... A taxa varia de acordo com o seu endereço, no nosso caso, custou R$27 para São Paulo, capital.

Saímos do consulado umas 9h30. Ou seja, mesmo chegando cedo, deve-se reservar meio período para a entrevista.

Cerca de 10 dias depois, nossos passaportes chegaram em casa, com o visto colado e válido por 10 anos.

Apesar de demorado, custoso e relativamente burocrático, a validade de dez anos compensa. O processo de aprovação também é necessário por questões de segurança e para inibir a imigração ilegal. Claro que cada caso é um caso, mas se você tem boas intenções e condições financeiras, não deve ter problemas para ter a sua solicitação aprovada e nem motivo para ficar apreensivo.