Experiência | Voando Easyjet

Mesmo já tendo viajado várias vezes pela Europa e voado com outras empresas aéreas low-cost – principalmente a Ryanair –, nas últimas férias, pela primeira vez, o custo benefício de voar com a Easyjet foi melhor. E, desde a compra das passagens, a curiosidade só aumentou.

Pra quem está calejado de voar com a Ryanair, qualquer melhoria de aspecto causa uma boa impressão e, já pra começar a conversa, a Easyjet sai muito na frente só por operar os seus voos nos aeroportos principais dos destinos. Pra quem só olha o valor da passagem, essa é a maior casca de banana quando se voa com a Ryanair. Exceto pelas cidades que não possuem um aeroporto menor num raio de 100Km, como nos casos de Madri, Praga ou Porto, é quase certo que você, feliz por ter comprado aquela passagem Paris-Londres baratinha, fique bem decepcionado com os quase 200Km de ônibus que você terá que percorrer pra chegar ao aeroporto e depois ao centro. Mas, que fique claro, nada contra a Ryanair, sempre tivemos boas experiências e voaríamos de novo se fosse conveniente!

Quando montamos o nosso roteiro e incluímos ir até Paris a partir da Itália, a Easyjet foi sem dúvida a melhor opção. Não que voar de Air France ou Alitalia também não fosse possível, mas achamos pagar a diferença de 50€ por pessoa por trecho desnecessária.

A COMPRA no site:




O site da Easyjet tem uma versão em português de Portugal, o que facilita para os que não têm prática com o inglês. Na busca, é possível pesquisar o trecho pelo dia, semana ou mesmo mês, para achar os valores mais baratos. O processo de compra é simples porém detalhado. O valor que você enxerga na pesquisa é apenas o valor aéreo, que não inclui reserva de assento, bagagem de porão ou refeição a bordo. Se você optar por não incluir nada, a este valor ainda é somado uma taxa de compra com o cartão, que não calculei, mas não deve ser maior do que 5%.

Aos que preferem fazer inclusões, como reserva de assento e franquia de bagagem, o valor vai sendo somado a medida que você inclui os itens na reserva. Para cada trecho eles apresentam uma tarifa flex que inclui estes itens adicionais e é menos restrita em caso de alteração/cancelamento.

Para os desavisados, caso você não reserve o assento no momento da compra, é possível marcar no check-in online, que pode ser feito 30 (trinta) dias antes do voo. Se você não quer correr risco, a reserva de assento custa em torno de 5€.
Já no caso de bagagem de mão ou de porão, é bom avaliar. Você pode comprar online uma franquia de 20Kg (ou mais) para despachar e será bem mais barato do que fazer isso direto no balcão. Se você não quer ter este custo e quiser levar só bagagem de mão, você terá que realizar duas proezas: primeiro, não ter mais do que um volume na mão na hora de embarcar –  e isso inclui bolsas femininas, mochilas, maleta de notebook...
Um único volume por pessoa, sem choro! E a segunda, que o seu volume esteja dentro das dimensões 56 x 45 x 25 cm. Leia mais sobre a política de bagagem no site.

Para embarcar é obrigatório realizar o check-in online e imprimir o bilhete a partir de 30 dias antes do voo. Essa é uma prática comum entre as low-cost e, claro, se você não fizer isso antecipadamente eles cobram pra fazer no aeroporto.

NO AEROPORTO:

O nosso primeiro trecho foi entre o aeroporto de Marco Polo, em Veneza, com destino ao Charles de Gaulle, em Paris. Chegamos com folga ao aeroporto, com partida prevista às 14h30. Fomos ao check-in despachar a bagagem e pegamos uma fila rápida. Se você não vai despachar bagagem, pode pegar o seu cartão impresso e ir direto ao portão. O balcão serve basicamente para temas relacionados à bagagem, visto que todos os passageiros já devem estar com seu cartão impresso.

Fila do embarque em Veneza
Airbus no finger no aeroporto Marco Polo

O Aeroporto de Veneza é pequeno, mas muito organizado, novo e repleto de lojas de grife, restaurantes e cafés na área de embarque, tudo muito bonito. Aguardamos o horário e embarcamos numa fila organizada e totalmente fiscalizada pra garantir que cada passageiro só tenha um volume em mãos.


O VOO:

Antes de nos acomodar nos nossos assentos em um novo Airbus A320, somos recebidos por uma tripulação simpática e francófona. O embarque – por causa desse controle rígido com a bagagem de mão –, é bem rápido e todo mundo acaba tendo espaço pra guardar seus pertences, sem estresse.

O voo partiu no horário e para o nosso deleite, tivemos a belíssima vista aérea de Veneza, uma bela forma de se despedir. Durante o percurso, você pode pedir uma seleção grande de snacks/pratos quentes ou frios, tudo exposto num extenso cardápio. Os preços são justos, se comparados aos preços da área de embarque. Nós pedimos uma sopinha instantânea Heinz, surpreendentemente boa.

Sobrevoando Veneza
Lendo a Traveller - baita publicação - e tomando uma sopinha Heinz
Esse trecho é lindo de ser feito de dia, especialmente com um tempo aberto, pelo sobrevoo dos Alpes.

Sobrevoando os Alpes a caminho de Paris
A revista de bordo Traveller é um capítulo à parte e digníssima de menção. Além de ter matérias incríveis sobre vários destinos europeus, dicas práticas do que está rolando de novo nas principais capitais do continente, ainda é super bem editada.

Uma hora depois e já estávamos desembarcando no terminal 2D do Charles de Gaulle, bem perto a pé da estação de RER.

Desembarque no Charles de Gaulle
Malas resgatadas e inteiras, só dá pra dizer que a nossa primeira impressão foi excepcional, sem nenhuma observação negativa.

Para voltar à Itália, também voamos com a Easyjet o trecho Paris Orly – Fiumicino. Dessa vez escolhemos um horário menos conveniente (7h15 da manhã) mas foi tudo igualmente tranquilo.

Pegamos um taxi do nosso hotel até o terminal Sul do Aeroporto de Orly, a viagem de taxi foi bem rápida (sem trânsito às 5h30 da manhã) e custou menos do que custaria se pudéssemos ter ido de transporte público.

No aeroporto ainda pouco movimentado, despachamos a nossa bagagem super rápido, tomamos um café tranquilamente e passamos pelo controle de segurança ainda com um bom tempo. O embarque também foi bem rápido e controlado, a tripulação também era francófona e o avião, novinho.

A caminho de Roma mais um dia começa
Dessa vez, o voo tranquilo embalou os sonhos dos que madrugaram e só percebemos que estávamos próximos de pousar com o aviso da tripulação.

No meio do caminho entre Paris e Roma

Já em Roma, a nossa opinião era unânime, o serviço da Easyjet é surpreendente, pelo valor que se paga.

Vale dizer que nestes dois voos vimos alguns desentendimentos entre funcionários e passageiros, sempre com relação à bagagem, mas nada que um passageiro informado (e com bom senso) não consiga evitar.

Comentários

  1. Que legal seu post! Vou viajar de EasyJet e estava com dúvida se poderia levar bolsa ou não, mas pelo visto terei que colocar minha bolsa dentro da bagagem de mão...rs. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que a gente te ajudou, Rafa! É isso mesmo, coloca a bolsa dentro da bagagem de mão ;)

      Excluir
  2. Muito bom o seu post! Farei o trecho Milão - Paris com a Easyjet em fevereiro, acabei comprando já com a franquia da bagagem de porão porque achei um valor justo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Priscila! Realmente, sabendo de todos os pormenores, os valores são justos e é massa voar de lowcost. Espero que sua viagem seja inesquecível :)

      Beijo!

      Excluir
  3. Olá! Mto bom o post, parabéns! Me tira uma dúvida: posso levar uma mochila como mala de mão? Desde que nas medidas que eles exigem? Pergunta meio idiota, rs, mas eh q ainda sou inexperiente nas viagens... rs! Obrigada! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe pergunta idiota, Ju. Estamos todos aprendendo ;)

      Sim, pode. Contanto que a mochila seja o único volume que você carrega para entrar no avião. Por exemplo, caso você tenha uma bolsa (dessas que nós mulheres usamos) ela terá que estar DENTRO da mochila.

      Excluir

Postar um comentário