Puebla - México: Mucho Gusto

Quarta maior cidade do México, ficando atrás apenas da capital, Ciudad de Mexico (DF), Guadalajara e Monterrey, Puebla atende por nome e sobrenome: Puebla de Zaragoza.  No entanto a cidade tem algumas outras chancelas: Cidade Patrimônio da Humanidade | Angelópolis | Puebla de Los Angeles – oriundo da lenda sobre uma visão do Bispo de Tlaxcala: “cidade traçada por anjos para ser desfrutada por mortais”.

Puebla é encantadora sob qualquer ângulo


Cor, devoção e sabor são as três palavras que descrevem a experiência de quem separa uns dias para visitá-la, bem como seus arredores.  Situada nas cercanias do vulcão Popocatepetl, um protagonista da região, a cidade que foi fundada em 1531 abriga algum dos símbolos nacionais mexicanos. Puebla foi palco da famosa batalha de 5 de maio, em 1862, onde as forças mexicanas – de forma improvável – derrotaram a esquadra francesa. A China Poblana, hoje traje típico mexicano, ícone da cultura nacional, começou a ser difundido a partir de Puebla. De quinta a domingo, no Lago de La Concordia, é possível desfrutar de um espetáculo gratuito sobre a China Poblana, uma projeção de luz e imagens que conta a história dessa lenda mexicana.

Uma foto ruinzinha da imponente Fuente de la China Poblana

                         


A cidade com maior número de monumentos das Américas, com 2.619 distribuídos em 391 quarteirões, mantém quase que impecavelmente o seu conjunto arquitetônico de prédios erguidos nos séculos XVI e XVII pelos colonos espanhóis. Seu centro histórico, um museu a céu aberto, guarda jóias como a Capilla del Rosario – um exemplo do barroco mexicano –, a Catedral de Puebla – em estilo neoclássico – e a Biblioteca Palafoxiana, a primeira biblioteca pública das américas, com um acervo de mais de 40 mil volumes, uma das maiores coletâneas do mundo. Ex-conventos, zócalo (praça principal), museus e parques compõem um mix de pontos turísticos imperdíveis de Puebla.




Interior da Biblioteca Palafoxiana

A cozinha poblana – um capítulo à parte nessa história –, é conhecida por ser a mais icônica no México, preparada com cuidado e paciência. Esqueça os nachos e tudo o que você conhece de comida mexicana. Essa é uma culinária criativa, de muitas cores, aromas e sabores bem particulares. O prato mais icônico da cidade na verdade é um molho. o Mole Poblano é preparado com vários tipos de pimentas e chocolate, um prato complexo de sabor agradável, que leva cerca de 51 ingredientes no seu preparo, comumente servido sobre frango ou peru. Outros pratos da culinária poblana que não podem ficar de fora do cardápio do turista: Tinga – Molho de frango com chipotle; Escamoles – Ovos ou larvas de formiga, feitos fritos na manteiga – mais consumidos na época da quaresma. Pela dificuldade de encontrar os ninhos das formigas o prato é considerado caro, tão caro que também responde sob a alcunha de “caviar mexicano”. Riquíssimo em proteínas e vitaminas; Chile en nogada – um pimentão recheado de carne (porco, cordeiro ou boi) picada, com pêra, maçã e pêssego. Empanado e frito, coroado com um creme de nozes, cheiro verde e semente de romã por cima. As cores não são aleatórias, o branco, vermelho e verde representam a bandeira mexicana.

Mole Poblano - Ícone da autêntica cozinha mexicana

Tequila e Sangrita - dupla mais do que gostosa

A comida de rua de Puebla é totalmente influenciada pelos imigrantes: Chalupas (tipo de embarcação em espanhol) um taco recheado com carne – porco ou frango – pimenta, cebola e molhos; Cemitas – uma espécie de brioche mexicano, base para um sanduíche de mesmo nome, recheado com carne à milanesa, porco ou frango, queijo, abacate, cebola e molho picante. Deliciosa! Minha primeira cemita pedi ao estilo al pastor, que é recheada de carne de porco marinada, abacaxi, cebola, coentro, e muita, mas muita, pimenta. De tão picante não consegui comer tudo, mas eu mereço um desconto: foi a minha primeira refeição em solo mexicano; As pimentas são protagonistas na cozinha mexicana, para se ter uma ideia, até nas frutas elas são salpicadas.  Taco Arabe – uma das comidas de rua mais apreciadas em Puebla com décadas de tradição, é o que nós conhecemos aqui por Kebab ou Churrasco Grego. Vale ressaltar que os cuidados com a alimentação no México seguem os mesmos padrões que seguimos no Brasil: saber a procedência do alimento, evitar comê-los in natura se não sabemos a origem e não beber água da torneira é uma das minhas principais dicas. Também aconselho a levar remédios que amenizam os desconfortos estomacal e intestinal. Mas eu insisto, não deixe de provar as maravilhas dessa cozinha sensacional que é a poblana. ¡Provecho!

Por fim, acrescento ainda mais cores na visita a Puebla e mergulho no mundo da Talavera. Técnica de cerâmica típica da cidade que consiste em transformar argila na mais pura arte, a talavera poblana se diferencia das demais artes por ser uma mistura das técnicas chinesa, italiana, espanhola e indígena, resultando assim num trabalho belo, com muita personalidade. A autêntica talavera é caríssima, mas é um souvenir para a vida toda. As peças vão desde jóias a itens para a casa e cozinha e fachadas de prédios históricos em forma de azulejos. Apenas nove oficinas receberam certificado de produção da cerâmica e passam por inspeções sistemáticas para mantê-los. O atelier Uriarte, o mais antigo produtor de Talavera de Puebla, que data de 1824, oferece um passeio guiado a fim de apresentar o seu processo de desenvolvimento. Para quem aprecia esse tipo de arte, um excelente passeio.





Um roteiro para conhecer Puebla e região (que vou apresentá-los logo mais) teria 4 dias completos, mantendo a cidade como base. Mas esse período pode ser estendido, caso a vontade seja esmiuçar completamente a cidade e seus arredores, o que eu aconselho, caso a temporada no México seja grande. Puebla, e tudo o que faz dela essa cidade mexicana encantadora, merece ser sentida, vivida e degustada.



Comentários

Postar um comentário