Onde dormir na Ilha do Mel - Chalés Sunshine

A ideia era fazer um inocente bate-volta na Ilha do Mel, algo totalmente possível de ser feito, mas achamos por bem passar uma noite para termos a experiência completa do lugar. Depois de umas dicas amigas, fechamos nossa noite na Chalés Sunshine (Agora Malie Chalés), no lado Encantadas da ilha. A poucos metros do trapiche, onde todos os barcos atracam, foi muito fácil achar a entrada da pousada, já que ela fica no caminho para a Gruta das Encantadas, muito bem localizada.







Rodeados de muito verde estão os simpáticos chalés de madeira que dão nome à propriedade. São poucas construções, o que já dá um ar bem intimista ao local. O primeiro contato com o pessoal é bem amistoso, tudo muito prático e direto, já que a pousada não tem firulas, só charme. Os quartos são simples, acomodam desde casais até um grupo maior de pessoas. Cama de casal tipo box muito confortável, ar condicionado, TV de LCD, free wi-fi, frigobar, lanterna e chocolatinhos sobre a cama. Tudo limpo, do jeito que a gente precisa no fim de um dia repleto de atividades. O meu único porém fica por conta do banheiro que, vale ressaltar, estava limpo. Porém, o chuveiro elétrico dava um choquinho, mas como estava calor achamos por bem desligar o disjuntor. Deixamos registrado o fato para que fosse reparado brevemente e assim, tudo ficar redondo.






Além da tranquilidade do lugar, o grande destaque da Chalés Sunshine, sem sombra de dúvidas, fica por conta do café da manhã incluso na diária. Servido diariamente entre às 8 e as 10 da manhã, nós chegamos esperando um café simples de pausada de praia, mas fomos absolutamente surpreendidos por um show de delicadezas: pão caseiro saindo do forno, frutas com melado orgânico, sucos naturais, uma geleia divina de maracujá feita ali mesmo na pousada, empadinhas, bolo, doces... Um verdadeiro banquete, difícil até de colocar um ponto final nessa primeira refeição do dia.






Em total sintonia com a vibe do restante da Ilha do Mel, certamente a Chalés Sunshine sabe que é pela simplicidade que se conquista. Nós dois fomos embora já com vontade de voltar.

Em tempo, parece ser um costume local chegar à ilha sem ter um lugar onde pernoitar marcado, a não ser que você seja aqui de Curitiba, acho que não é bacana (uma vez que não é tão simples de chegar) viajar até a Ilha do Mel sem saber onde vai dormir. Muitas das pousadas já estão no Booking, ou seja, dá para pesquisar e reservar um quarto dentro dos seus critérios e evitar dar a viagem perdida.

A diária para o casal, na baixa temporada, ficou por R$ 200,00. Ah, não esqueça de levar repelente e protetor solar na bagagem! 



| Leia também sobre o nosso fim de semana na Ilha do Mel |






Comentários

  1. Top Rapha!!! Morri com essa geleia de Maracujá! Queria saber uma coisa que você não mencionou. Com relação aos mosquitos, pernilongos e etc. É suave?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma delícia essa geleia, meu deus! Então, vou fazer um post com dicas práticas para a viagem onde pretendo abordar o tema mosquitos - mas te adianto que foi bem tranquilo. Usando repelente sempre, não tive problema. Dizem que por volta de novembro a ilha sofre com as mutucas/butucas. Como sou alérgica, não pagarei pra ver. :)

      De resto, foi tudo lindo!

      Excluir
    2. Lugar lindo! Vontade de morar aí. Ainda bem que lembrou do repelente no outro post, lá é imprescindível!! Lindas fotos viu, Rapha!!

      Excluir
    3. Sim, Dan, muita vontade de morar na Ilha do Mel :) Verdade, o repelente é imprescindível. Vou até colocar um aviso nesse post para não correr riscos. Obrigada pela visita e pela gentileza!

      Excluir

Postar um comentário