Raphanomundo @ #LollaBerlin 2016


O Festival

Com 25 anos de estrada, o LollaPalooza é um dos festivais mais disputados mundo afora, seja pelo público ou pelos próprios artistas, a certeza é que todos querem fazer parte dessa grande ode à música. Com edições em 5 países (EUA – Chicago | Chile – Santiago | Brasil – São Paulo | Argentina – Buenos Aires | Alemanha – Berlin), é difícil o festival não abrir seus portões com lotação esgotada dias antes, reunindo um público de cerca de 160.000 mil pessoas em dois ou três dias de festa. Grandes nomes da cena Rock e Pop já subiram nos palcos do LollaPalooza, entre eles: Red Hot Chili Peppers, Arctic Monkeys, Lady Gaga, Radiohead, Coldplay, Smashing Pumpkins, Nine Inch Nails, Björk,  Rage Against the Machine e Pearl Jam. Realizado no Brasil desde 2011, nunca foi possível para nós prestigiar uma edição, seja pela incompatibilidade de agendas, ou de carteiras, a verdade é que sempre quisemos ir, mas nunca aconteceu.

Quando soubemos da nossa data da mudança aqui para Stuttgart desconfiamos que seria possível conhecer a versão europeia do Lolla. Realizada em Berlin desde 2015, essa seria a segunda edição do festival na Europa. E assim foi! Fizemos nossa estreia nos festivais de verão de música europeus.

Os Shows

Com um line-up um pouco mais magrinho do que o do seu irmão mais velho – que aconteceu entre os dias 28 e 31 de julho em Chicago – ainda assim alguns nomes chamavam a nossa atenção. Na verdade, um só: Radioheadheadliner do domingo, segunda noite do festival. O resto, se conseguíssemos ver, seria lucro.

A banda inglesa fez um baita show de encerramento no Palco Principal, impecável e intenso, compatível com seus mais de 30 anos de estrada. Prestigiando as músicas do seu mais recente disco – A Moon Shaped Pool – Thom Yorke e cia não deixaram de fora os hits que os consagraram no cenário alternativo musical: Idioteque, Let Down, No Surprises, Paranoid Android, Creep e, para a catarse coletiva, Karma Police. |Escute aqui a playlist com base no setlist do show|. Passados alguns dias após o concerto, eu, fã confessa da banda, ainda não acredito no que vi.

Radiohead no Main Satage fechando o LollaPalooza Berlin

Também foi bacana poder acompanhar o show do New Order, que fechou os trabalhos do Palco Alternativo no sábado à noite. Plateia adulta, com um certo ar de excitação, acredito, por poder ver de perto aqueles que embalaram muitas festas nos anos 80 de uma Berlim dividida. Naquela noite de sábado, estávamos todos juntos e misturados. Foi Lindo.

Ir ao LollaPalooza é sinônimo de descobrir nomes novos – pelo menos para nós –  na música, então, entre um show maior e outro, conseguimos dar uma espiada nas apresentações de Jess Glynne, G-Eazy, Years&Years, James Blake, Tocotronic e The Chainsmokers. Ou seja, saímos no lucro mesmo.

New Order agitando a noite de sábado

Years&Years abriu o palco principal no domingo

A Estrutura

O tamanho do festival impressiona. No ano passado, o Lolla Berlin aconteceu no lendário aeroporto Tempelhof, que deixou de funcionar em 2008 e hoje é um grande parque frequentado por hipsters e descolados da capital alemã - além de parte das suas construções servirem de abrigo para os refugiados. Já nesse ano, o festival montou acampamento nas dependências do Treptower Park, uma linda e arborizada área da cidade. Eu já não consigo imaginar o LollaPalooza acontecendo em outro lugar que não nesse que é um dos maiores parques de Berlim.

Tudo estava bem distribuído, não havia um ponto sequer sem sinalização, atrações, barraquinhas de comida/bebida e até mesmo banheiro. E bota banheiro nisso, não havia fila para usá-los. Aliás, fila a gente só viu mesmo nos disputados food trucks e bancas de bebidas, de resto, nem na entrada enfrentamos filas. A variedade de comida foi algo que chamou atenção, tinha para todos os gostos: alemã, mexicana, argentina, brasileira, americana, asiática, vegana... Tudo a um preço bem justo.

#AbsolutLolla - drink fofo e refrescante no stand da Vodka Absolut

A luz incrível do fim de tarde de verão em Berlin

Intervenções artísticas e culturais nos quatro cantos do Treptower Park

Entrada Plänterwald com poucas filas

Mais arte no Lolla Berlin

Outro ponto interessante foi a quantidade de informação que recebemos nos dias que antecederam o festival: qual a entrada para o nosso tipo de ticket, qual a estação de metrô mais próxima, deixe o carro em casa e vá de bike. E, olha, esse último conselho foi acatado à risca pelo público. A quantidade de bicicleta era surreal. Além de não termos visto um só carro nas cercanias do festival. Nem táxi. O transporte público de Berlim funciona muito bem e serve com folga esses eventos de grande porte.

Nada de carro. O negócio é ir de bike!

Lolla Berlin: Calor, poeira e música

Entrando no clima do LollaPalooza desde pequena

Até 2017,  Lolla Berlin! 

Por fim, se em 1969 o Woodstock ficou conhecido pelo seu mar de lama, o LollaPalooza Berlin 2016 vai entrar para a história pelo banho de poeira. É que o tempo seco de verão e a quantidade de pessoas contribuíram para que o parque fosse envolto em uma névoa de poeira preta e ninguém ficou imune a esse “banho”.

Em tempo, a edição 2017 do LollaPalooza Berlin já foi confirmada, acontecerá entre os dias 09 e 10 de setembro. Porém, o local ainda é um impasse, quando soubermos mais informações divulgamos por aqui!




Comentários