Buenos Aires - Transportes

Para se locomover em Buenos Aires o turista não encontra dificuldades. A malha do metrô é boa e composta por 5 linhas. Onde não dá pra chegar sobre trilhos tem ônibus. E se ele gosta de um pouco mais de conforto, os táxis na cidade porteña aparecem em abundância. A seguir darei dicas de como usar esses 3 tipos de transporte:

TÁXI

Para ir do aeroporto Ezeiza ao centro de Buenos Aires tínhamos a informação de que poderíamos pegar um táxi pré-pago, chamado remis, por $110,00 (+- R$ 55,00). Ao passar pelo portão de desembarque nós chegamos em uma área com vários guichês para trocar dinheiro (a cotação no aeroporto é altíssima - não recomendo), obter informações turísticas e, o que nos interessava, conseguir um táxi seguro que nos levasse ao centro. É só chegar no balcão, dizer o destino, pagar (o pagamento pode ser feito com cartão de crédito) e pronto. Você é imediatamente apresentado ao motorista que fará o percurso. Também existe a possibilidade de ir em ônibus especiais, por $55,00, mas eles deixam em um ponto fixo no centro e de lá teria mais uma outra condução para o hotel. Para quem viaja sozinho é a opção mais em conta, mas não é o meu caso. 

Em Buenos Aires a oferta de táxi, como eu disse antes, não está no gibi. Porém, antes de ir, li vários relatos de turistas que recebiam como troco dos taxistas notas falsas. Um absurdo. Muitos viajantes andam com notas altas e tentam trocar o dinheiro pagando suas corridas. Para não termos esse tipo de surpresa desagradável, nos preparamos. Procuramos pagar o táxi com o dinheiro certo ou com o mínimo de troco a receber. Deixamos para trocar o dinheiro em lanchonetes, restaurantes, lojas e etc. Como a circulação de notas falsas é alta na cidade, vendedores, garçons e caixas, ao receberem o pagamento, fazem questão de colocar o dinheiro contra a luz para constatar a veracidade da nota. Então, não fique chateado se isso acontecer. É normal!


METRÔ

O Subte, como é chamado o metrô em Buenos Aires, não tem uma malha muito grande, mas como todo metrô, quebra um super galho. Ela é composta por 5 linhas que são identificadas por letras: A - Celeste / B - Vermelha / C - Azul / D - Verde / E - Violeta. A linha "A", que fica muito perto do hotel onde nos hospedamos, tem uns trens MUITO antigos (fotos no flickr). É uma coisa linda, parece que estamos num filme. Pesquisando, descobri que essa linha foi construída em 1913 e é a linha subterrânea mais antiga da América Latina. O metrô lá é bastante lotado, principalmente nas horas de pico. Se brincar não cabe uma mosca. As estações são bem sucateadas, mas guardam azulejos antigos e murais com obras de arte, então, para mim, tudo faz parte de um lindo cenário. O valor da viagem é de $1,10 menos de R$ 1,00.


ÔNIBUS

Diferente do metrô, quando andamos de ônibus temos a oportunidade de ver e sentir a cidade. Sempre procuramos nos misturar com os locais para, assim, termos uma leve ideia de como seria viver o nosso dia a dia no lugar que estamos visitando. Sempre achei mais fácil andar de ônibus fora do Brasil e em Buenos Aires não foi diferente. As linhas são identificadas por números e nos pontos, ainda que timidamente, placas sinalizam quais delas passam por ali e mostram os itinerários. As pessoas fazem filas e entram em ordem no coletivo, ninguém passa na frente de ninguém. Lá eles não têm cobrador (ou trocador) você diz o destino e a quantidade de pessoas ao motorista e ele calcula o valor da passagem na hora (geralmente $1,25 - mais uma vez, menos de R$ 1,00). O total que você tem que pagar aparece no visor da máquina que só aceita moedas (guarde todas as moedas se quiser tomar um ônibus, pois lá elas são artigo de luxo) após inserir as moedas e atingir o valor um comprovante de pagamento é impresso, e se for o caso, o troco é devolvido. Simples e eficiente!

Para voltar ao Ezeiza nos arriscamos e tomamos um ônibus. Depois de uma breve pesquisa vimos que a linha 8, que leva ao aeroporto, passava num ponto bem próximo ao hotel. Às 10h fizemos o check-out e fomos para o ponto, nosso vôo era às 14:30, tínhamos tempo de sobra. Dez minutos de espera e já estávamos no tranquilo ônibus rumo ao Ezeiza. Pagamos, por pessoa, $ 2,00 (R$ 1,00) e duas horas depois, chegamos ao destino. Demorou, fato, mas foi experiência, né? Então, serviu! Bom saber que existe uma outra opção, baratíssima por sinal, de se chegar ao distante aeroporto.


Bom, é isso. Espero que essas dicas sejam úteis e qualquer dúvida é só perguntar: tem e-mail, comentários e twitter (segue aí @aretakis).

Comentários

  1. Ótimas dicas como sempre, Rapha! Muita vontade de ir à Buenos Aires depois de ver esses posts e as fotos lindas do Flickr.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Brigada pela visita, Tati! Viaje e volte aqui pra contar como foi!
    :*

    ResponderExcluir
  3. Excelente!!! Das duas vezes que fui para BsAs, saí do Ezeiza de taxi, mas dessa vez, pensei em pegar um ônibus ou algo do gênero, mas como estarei com o Zuco, tô achando que não valerá à pena encarar o ônibus, se o taxi poderá me deixar direto no apê q aluguei.
    Super obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  4. Parabens pelos posts!!!
    muitooo utilll..

    ResponderExcluir
  5. ola rapha meu nome é ezequias gostaria de saber qual o valor do aereporto de ezeiza ate o centro de buenos aires.vc sabe? muito grato...email;treinamentoevolucao@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ezequias. Hoje um táxi do Ezeiza até o centro sai por 198 pesos (cerca de R$ 83). Veja o site que eu indico no texto acima: http://www.taxiezeiza.com.ar/spa/tarifas?PHPSESSID=bdadf6ab4cc454d0f1eb35d9b239728a

      Excluir
  6. Rapha, quando você pegou o ônibus de volta para o Ezeiza não ficou com medo por causa das malas ? Acha que mesmo com uma mala média é tranquilo pegar o ônibus ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcia! Olha, as nossas malas são pequenas e pegamos o ônibus em dia de semana - acho que no contrafluxo, então ele não estava cheio. Foi tudo muito tranquilo. Sendo uma mala que você possa carregar numa boa, acho que não tem problema, não. :)

      Excluir

Postar um comentário