Semana passada voamos pela primeira vez com a Azul! A cia aérea chegou  ao Brasil em 2008 fazendo bastante burburinho. Mesmo já operando há dois anos, mais ou menos o mesmo tempo em que vivemos em São Paulo, nunca tivemos oportunidade de voar antes – apesar da curiosidade, primeiro pelo deslocamento entre São Paulo e o Aeroporto de Viracopos em Campinas, segundo pelo preço, que nas vezes em que viajamos, a empresa aérea não conseguiu competir com as grandes TAM e Gol.



Porém, desta vez foi diferente. Precisávamos de um bilhete de última hora para voar o trecho Recife-São Paulo e nas buscas encontramos o preço de R$ 59,00 (fora taxa de embarque) num vôo noturno. Não pensamos duas vezes!

Como a Azul opera aviões menores (Embraer 190 e 195 - com capacidade de até 118 passageiros), conseqüentemente as filas são menores e o embarque dura menos tempo. Já dentro da aeronave, a primeira impressão foi ótima! Ela aparentava ser bem nova, estava muito bem limpa e conservada. As poltronas são mais espaçosas e para nossa surpresa, havia tela individual com programas dos canais Multishow, GNT, Sportv, além do clássico GPS, com informações sobre o vôo em tempo real.



No serviço de bordo, nada de carrinho com bebidas ou cardápios e comissárias contando moedas. Você é questionado sobre o que quer beber e logo em seguida a comissária traz o seu pedido. Para comer, as opções são snacks industrializados como: batatas chips, amendoim japonês, bolacha salgada, cookies e goiabinha. Você escolhe quais e quantos vai querer, bem prático. Para arrematar o serviço, a comissária passa uma bandeja com um cafezinho.


 


Já em Campinas, o vôo, que saiu no horário, chegou adiantado 10 minutos, o que nos deu tempo de pegar o ônibus que eles ofertam para o traslado até São Paulo – tem que retirar uma senha na sala de desembarque. Escolhemos vir até o aeroporto de Congonhas, que fica bem perto de casa, mas dá pra ir a outros vários destinos tanto em São Paulo, como para outras cidades próximas a Campinas. O percurso até Congonhas foi tranqüilo e levou cerca de 1 hora e 15 minutos, com o trânsito totalmente livre tanto na Rodovia dos Bandeirantes quanto na chegada a São Paulo. Acredito que em outras condições o traslado demore pelo menos duas horas, o que pode tornar a viagem mais demorada e cansativa. Mas para quem não tem São Paulo como destino, essa observação torna-se irrelevante.

No geral, tivemos uma experiência muito legal nessa primeira viagem, o que nos faz querer voar novamente em breve e recomendar para nossos familiares e amigos. Para evitar o deslocamento até Campinas, esperamos que a Azul comece logo a operar mais vôos em Congonhas (atualmente só há uma rota: Congonhas – Porto Seguro).

Serviço: