Um passeio pelo centro histórico de Bogotá é uma ótima forma de se situar na cidade. Como escolhemos ir na Semana Santa, de antemão já sabíamos que na quinta e sexta-feira tudo estaria fechado. Somente poucos shoppings, lojas e restaurantes abertos perto do nosso hotel, mas no centro, nada! 

Tiramos a sexta para uma caminhada de reconhecimento pelo centro histórico. Ainda aproveitamos para ver como funcionava o transmilênio, o sistema de transporte inspirado no de Curitiba, onde os ônibus têm um corredor específico para eles e grandes estações ao longo do caminho. Você compra a passagem, que custa 1.700 COP (cerca de R$ 1,70), antes de entrar na estação, passa pela roleta, aguarda a chegada do veículo e viaja à vontade. Uma grande área da cidade já é coberta pelo sistema, mas eles estão expandindo ainda mais, as obras até o aeroporto El Dorado estão avançadas e muito em breve vai ser possível chegar do aeroporto até o centro pagando uma passagem baratíssima!


mapa do transmilênio

Pegamos um ônibus na estação Calle 85 até a Calle 19 e fizemos baldiação para pegar outro transmilênio até a estação Museo del Oro, mas como na Sexta-feira Santa eles fecharam algumas ruas para as procissões, os ônibus só seguiram até a estação Jiménez, uma antes da programada. No entanto, o certo é descer na Museo del Oro (marcada no mapa baixo) e pronto, você já está no centro de Bogotá! Como o clima lá é agradável, a caminhada se torna muito gostosa. A região tem bastante cafés, restaurantes e vendedores ambulantes com várias delícias típicas para deixar o passeio ainda mais atraente, se é que isso é mesmo necessário. Conselho: leve uma garrafinha com água para sempre se hidratar, pois, com o frio, você se desgasta mas não sua. Aí fica difícil notar algum sinal de desidratação, portanto, água sempre!


alguns pontos de interesse no centro histórico

patriotas e muito conscientes - a cidade está cheia de mensagens como essa nas ruas

O Museo del Oro e o de Botero merecem post a parte, por enquanto, por aqui, só os passeios outdoors. A quantidade de gente nas ruas nessa sexta-feira era absurda. Posso comparar a um carnaval, mas sem a música. Famílias, polícias, carros, vendedores ambulantes e llamas (sim, llamas) disputavam um espaço nas calçadas. Chegando à Plaza Bolívar mais gente, uma fila gigante de fiéis e turistas para entrar na Capital Primada de Colombia e muito fotógrafos oferecendo seus serviços, seja para uma foto com a igreja ao fundo, seja montado numa llama. It's your call, buddy


plaza bolívar com a catedral primada de colombia ao fundo

é só sentar e dizer xis (tadinha da llama, não vi ninguém montando, não - ainda bem)

monumento em homenagem a Bolívar

Caminhando um pouco mais, passando pelo Centro Cultural Gabriel García Marquez, onde dá para apreciar um bom café Juan Valdez, você chega aos arredores da Igreja da Candelária, o coração do centro histórico de Bogotá, onde a arquitetura colonial se mantém bem conservada. Nesse belíssimo lugar dá para se perder por suas calles e respirar história. 

Por ali mesmo se almoça bem e pagando pouco. O mal do turismo ainda não chegou por aquelas bandas (não é porque um restaurante está ao lado da igreja mais famosa do lugar que ele custará os olhos da cara)  mas só por enquanto, corre!



a famosa Igreja da Candelária no coração do centro histórico

o casario dos arredores da Candelária

   
      caminhe sem pressa pelas calles da Candelária

Muita coisa ainda está por vir, pois um lugar tão rico tem que ser bem explorado. Espero que vocês sintam vontade de conhecer Bogotá, porque só de escrever já está me dando vontade de voltar!