Maceió de Praia em Praia

Voltei a Maceió depois de muitos anos, não sei bem precisar quando, mas não visitava a cidade há uns 15 anos. Aqui vale compartilhar alguns fatos: já morei em Maceió, nos idos de 1985, meu irmão é alagoano e o estado sempre esteve no roteiro em nossas férias exploratórias pelo NE. Em abril desse ano passei 4 dias com meus pais na capital alagoana, deslumbrada a cada instante com a cor do mar e o calor do sol, pude colorir um pouco essa memória que já se encontrava turva.

Totem "Eu amo Maceió" na Praia de Ponta Verde

Alagoas e Pernambuco têm, juntos, o pedaço mais bonito do litoral do Nordeste, quiçá do Brasil – falo em termos de cor de água. Um mar que não se decide entre o verde e azul (e toda a gama entre esses dois tons), que enche a vista e convida para um banho de mar, uma caminhada na orla, um passeio de bike, barco ou buggy. Jatiúca, Ponta Verde e Pajuçara fazem a tríade de praias urbanas – e por urbanas leia-se mais concorrida, mais ambulante e uma pitada de poluição, mas a beleza é tamanha que essas coisas ficam em 2º plano. A seguir faço um praia-a-praia dos locais visitados nesses 4 dias no “Paraíso das Águas”.

Jatiúca – Frequentada por surfistas, muitas pessoas dizem que ela não é boa para o banho por conta da poluição, mas não desanime, passeie pelo calçadão e se farte com uma deliciosa tapioca direto das famosas tapioqueiras de Maceió. Aos adeptos da gourmetização por ali no calçadão da Jatiúca também observei uma movimentação de food trucks;

Ponta Verde – Considerada a melhor praia urbana de Maceió, o mar ali é bom para o banho, calmo, morno, excelente para quem viaja com crianças e para quem quer fazer esportes náuticos (SUP – stand-up paddle, snorkel, caiaque). Nessa praia estão duas renomadas barracas, a Kanoa, que não conhecemos, e a Lopana, que como bem disse Álvaro Garnero, “É o que toda barraca de praia quer ser quando crescer”. E é mesmo, nunca estive num quiosque tão organizado, com um serviço tão bacana. A minha bebida durante esses 4 dias em Maceió foi Caipirosca de Seriguela, e a Lopana oferece uma feita com maestria. Além dos petiscos, deliciosos, destaque para o caldinho de camarão – caio no clichê e digo sem medo: o melhor que já provei –, camarão crocante, dos deuses, agulhinha frita e o sururu. A barraca tem a parte pé na areia, uma área aberta no nível do calçadão e outra climatizada. Um DJ coloca um som cool para animar o pessoal e dar aquele clima de férias, à noite tem banda ao vivo e a coisa ferve. É, sem dúvida, um lugar para aportar e passar o dia, ou, no nosso caso, os dias, fomos à Lopana duas vezes. A dica é chegar na hora que abre, às 10h, para garantir um lugar legal perto do mar. A barraca ainda tem serviço de catamarã para as piscinas naturais da Pajuçara;

Um pouco do bom astral da Lopana 

Praia de Ponta Verde com a Praia de Pajuçara ao fundo

Hors Concours: Camarão Crocante da Lopana


Pajuçara – Falando nela, é daqui partem as icônicas jangadas com destino às piscinas naturais. Quem nunca ouviu “Mergulhar no azul piscina, do mar de Pajuçara...”? Maceió e suas praias são a inspiração de muita gente, e essa parte específica da sua orla carrega muita poesia. O vai-e-vem das jangadas, os turistas percorrendo os corredores apertados da tradicional Feirinha de Artesanato da Pajuçara, os coqueiros balançando ao sabor do vento... Aqui a praia não conta com a pompa das barracas da praia vizinha, mas dá para pegar uma cadeira e curtir o mar maravilhoso a sua frente;

Maria-farinha, um bicho da minha infância na praia

Para a alegria das crianças: Peixinhos

A piscina, ops, o mar de Barra de São Miguel - Alagoas

Seguindo agora mais para o litoral sul de Alagoas, a uns 35km de Maceió, está a praia de Barra de São Miguel, onde curtimos um dia na Praêro, uma barraca com uma boa infraestrutura, com ares de Beach Club europeu. Com a maré baixa preferimos ficar com o pé na areia, descendo as escadas e nos acomodando em um dos guarda-sóis pertinho da água. O mar aqui é sensacional, fica bem forte com a maré cheia, mas com muitas piscininhas quando seco, um verdadeiro paraíso. O quiosque também conta com DJ, tem uma área bem grande no nível da rua e é super disputado, chegar antes das 10 da manhã é mandatório para a escolha de um bom lugar. No caminho até Barra de São Miguel passamos pela entrada da Praia do Francês, um hit nos anos 80/90, mas que eu não sei como está agora, acredito que bem explorado.

Praêro Beach Club - Barra de São Miguel - AL

Aproveite as águas calmas do litoral alagoano para fazer Stand-Up Paddle

Com a maré baixa a praia em frente ao Praêro vira uma piscina


Já no litoral norte do estado de Alagoas, o qual não visitamos dessa vez, está a praia de Ipioca, mais deserta, também conhecida pelo seu tom de azul hipnotizante e por guardar mais uma grande barraca de praia alagoana, a Hibiscus.

Vale dedicar cada dia da sua visita a uma  praia alagoana diferente, vai ser o melhor rodízio que você vai conhecer na vida, garanto. Devo dar o devido crédito e reconhecer que esse roteiro todo foi montado pelo meu pai, que, ao contrário de mim, vai bastante a Maceió e conhece a cidade como a palma da sua mão e tem o gene explorador no sangue.


Ainda bem que filha de peixe peixinho é!

Comentários

  1. Me apaixonei por essa cidade! Que orla é essa??? Escrevi sobre o que vi por lá em bit.ly/melevamaceio :) Fotões, hein! Adorei a do caranguejo! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bacana que você curtiu! Maceió é muito charmosa, né? Com aquele mar na frente é impossível uma cidade ficar feia ;) Obrigada pela visita!

      Excluir

Postar um comentário