Nossa primeira vez em Amsterdam foi em 2010 e nem preciso dizer que fiquei maravilhada com o charme dos seus canais, o tamanho dos morangos, as casas barco, a quantidade de bicicleta nas ruas e a beleza dos parques. Sim, um monte de clichês, porque as viagens também são feitas deles. Depois dessa primeira vez, levamos 7 anos para retornar ao país, coisa que eu queria muito, pois eu precisava riscar da minha lista de desejos a visita ao Keukenhof, o parque de tulipas mais incrível do mundo. E 2017 foi especial, pois além de visitar Amsterdam na primavera, tivemos a sorte de visitar a cidade holandesa também no outono, no fim de outubro daquele ano. E foi preciso ir à Holanda três vezes para reunir umas dicas para ajudar os viajantes que vão a Amsterdam pela primeira vez.


1 - Passear de barco pelos canais | Uma vez em Amsterdam você vai interagir das mais diversas formas com os canais e duvido que não fique embasbacado com tanto charme. Mesmo que já tenha visitado Veneza ou Hamburgo, outras duas cidades europeias conhecidas por seus numerosos canais, vai poder perceber que cada cidade tem a sua personalidade muito bem definida. Um passeio de barco cruzando pontes e cortando as águas dos 165 canais da “Veneza do Norte”, como é conhecida Amsterdam, é indispensável. A indiscutível importância dessa área da cidade resultou, em 2010, no seu ingresso para a lista de Patrimônio Mundial da UNESCO. Para ver a cidade holandesa sob uma nova ótica é possível alugar um barco tipo pedalinho (1 hora e meia, 10 euros por pessoa). Também dá para fazer o clássico Cruzeiro pelos canais históricos de Amsterdam (75 minutos, 15 euros por pessoa), oferecido o ano todo, mas sensivelmente mais bonito nos dias ensolarados de primavera e verão;


2 - Se hospedar em um hostel | Hospedagem em Amsterdam não é uma coisa barata. Nós aprendemos isso em 2010 mesmo, mas mesmo assim sempre ficamos bem instalados quando visitamos a cidade. O Hotel Asterisk foi nossa primeira opção, em 2010, no retorno, em 2017, optamos pelo hotel design Urban Lodge. Já na terceira vez, como fomos em grupo, com meu irmão e minha cunhada, resolvemos fechar um quarto quadruplo de hostel em Amsterdam. E foi a coisa mais legal que fizemos. O Generator Hostel Amsterdam fica num antigo prédio da universidade, em meio a um parque, numa área verde belíssima. Como uma viagem a Amsterdam pode ser algo muito jovial, dependendo do direcionamento que você dá a ela, a hospedagem em um hostel pode casar muito bem com a proposta, seja para abrigar o grupo com o qual se viaja, seja para conhecer mais viajantes pelo meio do caminho. Pagamos cerca de 30 euros por pessoa por noite e foi um bom negócio; 
3 - Fazer um Ganja Tour | Difícil falar de Amsterdam e não citar a relação íntima da cidade com as drogas. Não é novidade para ninguém que hordas de turistas jovens visitam a cidade com o objetivo de irem aos mais variados Coffeeshops, locais onde são comercializados e consumidos diversos produtos a base de maconha e outros entorpecentes. Mas se você é marinheiro de primeira viagem e tem vontade de conhecer essa faceta do turismo da cidade, saiba que é possível fazer tours privados ou coletivos (24 euros por pessoa) onde guias explicam um pouco dessa ligação de Amsterdam e levam o turista aos locais “corretos” onde é possível comprar e consumir maconha. Vale ressaltar que o uso da droga na cidade é tolerado e não legalizado, de qualquer forma, é muito bem tolerado, portanto, não raro você vai ver e sentir a presença a erva por muitas partes da cidade; 



4 - Ver Amsterdam de cima no A’DAM LOOKOUT | No lado oposto à Estação Central de Amsterdam, do outro lado do canal, está a torre de observação A’DAM LOOKOUT, com mais de 100 metros de altura, de onde temos uma vista em 360º de toda a cidade e região. A subida até o topo é feita numa viagem de elevador quase psicodélica. Chegando lá em cima é possível ver o centro histórico de Amsterdam e seu pulsante porto, além de em dias bonitos, flagrar um caprichado pôr do sol. Os visitantes mais corajosos ainda podem se jogar no balanço mais alto da Europa, o Over the Edge, que lança os seus “passageiros” até a borda da torre, deixando-os apenas com Amsterdam sob seus pés. A entrada custa 13,50 euros por pessoa + 5 euros para quem quiser ir no balanço; 



5 - Conhecer a história da cerveja na Heineken Experience | Há quem critique todo entretenimento que a Heineken criou em cima de sua marca, mas desde a minha primeira vez em Amsterdam me divirto horrores quando visito a Heineken Experience. Quer desculpa melhor para tomar umas cervejas pela manhã do que dizendo que está inclusa no preço do ingresso? Pois é, se seu intuito na viagem à cidade é se divertir, a Heineken Experience deve ser endereço certo. Por lá se fica por dentro da história da marca e da cerveja de forma muito criativa e interativa, transformando tudo ao final numa grande festa. Para a publicitária por formação aqui, uma grande aula de marketing e branding. O ingresso para a Heineken Experience custa 18 euros por pessoa - na hora, 20. O ticket Rock the City, que combina a entrada na Heineken Experience + uma viagem de 45 minutos pelos canais até a A’DAM LOOKOUT + o ingresso para a torre de observação, sai por 30 euros. Um bom negócio; 



6 - Comer o melhor hambúrguer da cidade | Uma coisa é certa, fazer turismo em Amsterdam vai te dar fome. E dependendo do turismo, vai ter dar muita fome! Quando se viaja com o orçamento apertado é muito provável que os restaurantes fiquem de fora da lista de lugares a serem visitados, e eu entendo perfeitamente. Então, já que a ideia é focar em um fast food, eu sugiro que você prove os hambúrgueres deliciosos do Burgermeester. O meu preferido é o Master Beef (9,50), mas tem opção vegana e vegetariana no cardápio. São 4 filiais espalhadas pela cidade e é uma ótima alternativa local às redes de comida rápida. Outra dica tradicional e MUITO on a budget, são as máquinas de croquete FEBO. Andando pelo centro histórico de Amsterdam é impossível não notar as máquinas que vendem sanduíches, batatas fritas, mas os verdadeiros destaques são os kroketten e frinkandellen. É só colocar as moedas na portinha da sua refeição escolhida e abre-te sésamo!


7 - Visitar algum dos muitos museus | Corpo alimentado, Amsterdam alimenta também a alma. São cerca de 75 museus na cidade que figuram como uma de suas maiores atrações. É impossível falar de Amsterdam e não citar o Rijksmuseum, o Van Gogh Museum e o Stedelijik Museum, todos no Museumkwartier, imediações onde ficava o antigo símbolo da cidade, o letreiro IAMSTERDAM. A Casa de Anne Frank é um dos museus mais visitados de Amsterdam, renovado em 2018, recebe cerca de 1.3 milhões de visitantes anualmente. A fila que se forma ao seu redor é impressionante e desafiadora, os que conseguem vencê-la não saem desapontados. Além desses nomes tradicionais, a cidade holandesa honra sua excentricidade e tem espaços dedicados aos gatos, às conchas, ao queijo e ao erotismo, por exemplo. Escolha um, ou vários, e mergulhe na história e curiosidade do mundo;


8 - Alugar uma bicicleta em Amsterdam | Holanda e bicicleta são sinônimos. E você vai ver isso na prática assim que pôr os pés no país. Enquanto no Brasil a bike é símbolo de resistência, na terra das tulipas elas são transporte vital. E se você quiser sentir o gostinho de estar seguro em meio a muitos ciclistas, vale alugar uma magrela e explorar a cidade através das suas quilométricas ciclovias. O aluguel de bicicleta em Amsterdam, por dia, vai ficar entre 10 e 15 euros dependendo do lugar onde você irá alugá-la. Depois, basta ficar por dentro das regras para pedalar na Holanda e se jogar na aventura de ver Amsterdam sobre duas rodas;


9 - Dolce far niente em parques da cidade | Desbravando Amsterdam de bicicleta certamente você cruzará alguns parques. O mais conhecido deles pelos turistas, o Vondelpark, vai te conquistar. E se o dia tiver bonito, aí sim, vai ser difícil sair de lá. Durante a primavera é possível comprar uns morangos doces e grandes em bancas de frutas nas redondezas e armar um piquenique. Resista a tentação e continue explorando os parques de Amsterdam: Westerpark, Oosterpark, Sarphatipark e Amstelpark são alguns deles. Todos gratuitos, limpos e organizados e, na estação mais florida do ano, lindamente coloridos;


10 - Visitar o parque de tulipas Keukenhof | E por falar em flores, falemos das que se tornaram símbolo do país: as tulipas. O jardim da Europa, como também é conhecido o Keukenhof, não fica em Amsterdam, mas em Lisse, cidade mais ao sul do país. No entanto, Amsterdam é um excelente ponto de partida para sua visita ao parque de tulipas. O Keukenhof fica aberto somente entre meados de março e maio, sendo abril o mês pico do esplendor das suas flores. São cerca de 7 milhões de bulbos de 800 espécies de tulipas floridas fazendo nos faltar olhos para apreciar tanta beleza. O passeio até o parque das tulipas, se feito com a tranquilidade que merece, leva o dia inteiro. A entrada custa 17 euros por pessoa e em 2019 o Keukenhof abre de 21 de março a 19 de maio; 



Sempre senti que Amsterdam é um convite à liberdade, à diversão… para mim, é um modelo de como as cidades deveriam ser. Talvez por isso as pessoas se excedem ao visitá-la e hoje a gente tenha encontrado certa resistência ao turismo na cidade. Portanto, acredito que nem preciso reforçar aqui o pedido de que a gente viaje e visite as cidades com consciência, respeito pelo próximo e pelo meio ambiente, para que assim, a gente possa voltar a visitá-las inúmeras vezes, não é?