Campervan para iniciantes: tudo o que você precisa saber para viajar numa mini casa sobre rodas

Já falei aqui se vale a pena viajar de campervan, contei sobre a nossa decisão de experimentar esse novo jeito de viajar durante a pandemia e mostrei o nosso roteiro pelo sul da Alemanha. Se você está decidido e convencido, agora deve partir para a pesquisa e estudo desse tipo de viagem – que, acredite em mim, é bem trabalhosa. É preciso ser bem ativo a bordo de uma casa sobre rodas, lembre-se que você (e quem mais estiver acompanhando) ficará a cargo da limpeza, alimentação e manutenção daquele espaço. O dia-a-dia é cheio de pequenos passos que, quando aprendidos, são executados com naturalidade. 

Nossa campervan alugada estacionada em meio à natureza

Para isso eu dou uma mãozinha e compartilho algumas dicas práticas para quem está pensando em pegar a estrada seja num motor home, numa campervan ou até mesmo em um trailer

Conheça previamente o carro: São inúmeras as empresas que alugam esse tipo de veículo por temporada e algumas delas têm vídeos explicativos do funcionamento do carro. É importante que você assista a esses vídeos para ter algum conhecimento prévio adquirido, mesmo que na retirada na locadora haja uma apresentação geral, não deixe que esse seja o seu primeiro contato com a campervan. Caso a própria empresa não tenha os vídeos demonstrativos, no youtube há um sem fim de conteúdo sobre os mais variados tipos de carros, você certamente achará algum que ensinará algo com base nas suas necessidades. 

Fique de olho nos extras: Ao alugar um motor home ou campervan, você vai se deparar com algumas cobranças extras. Jogo de cama, banheiro portátil, itens de cozinha, mesas e cadeiras, suporte para bicicletas, tudo isso pode (e provavelmente vai) ser cobrado a parte. No nosso caso, por razões de higiene e por causa da pandemia, nós levamos tudo de casa: nossos próprios lençóis, toalhas e objetos de cozinha. Como alugamos uma campervan (um carro menor não equipado com banheiro) pagamos apenas o aluguel do vaso sanitário portátil, o Porta Potti. E valeu cada centavo. 


Seja prático com relação a alimentação: O nosso carro era equipado com fogão a gás de duas bocas e uma geladeira pequena, mas super eficiente, e isso nos permitiu uma melhor alimentação durante a viagem. Mas é preciso dar preferência a alimentos de mais fácil cozimento e preparo, já que cozinhar a bordo de um espaço pequeno pode não ser muito confortável. Então sugiro que você leve itens práticos como sucrilhos, massas com molhos prontos, pães, frios, frutas e legumes mais resistentes e sucos. 

Cozinhando na Campervan

Se possível, porcione os ingredientes antes de viajar 

Também tenha snacks secos, bolachas, biscoitos e frutas secas, que quebram um galho como lanche. Já os alimentos mais frescos deixe para adquiri-los a medida que for passando por supermercados, para consumi-los, de preferência, no dia. Mais uma dica aqui: para não ter que lidar com grandes embalagens, nem peso desnecessário, leve tudo porcionado de acordo com a duração da sua viagem. 

Não esqueça os itens de higiene e limpeza: Lembre-se que você estará a cargo da organização e manutenção do seu espaço. Não esqueça de levar detergente, esponja, lenços umedecidos e quaisquer outros produtos de limpeza com os quais você está acostumado. Também tenha sempre consigo papel higiênico e sabonete, pois mesmo que haja facilidades sanitárias onde você for pernoitar, não há garantia de que encontrará esses itens à disposição. 

Sempre observe os níveis dos tanques da campervan: O veículo que alugamos contava com dois tanques de armazenamento, um de água limpa (30 litros) e outro, de água já usada (40 litros). Essas águas recebem nomes: água fresca/potável e água cinza. Aqui na Alemanha você encontra sinalizações nos campings e estacionamentos para Frischwasser e Grauwasser. Nesse locais, há pontos específicos para retirada e descarte dessas águas. Alguns lugares não cobram pela água fresca, já outros pedem um valor simbólico de 10 centavos por 10 litros quando a água é potável (própria para beber). 

Um dos mecanismos de cobrança quando a água é paga

Sem perder tempo: enchendo o tanque de água fresca e descarregando o de água cinza no lugar correto

Para o descarte da água cinza é preciso posicionar o carro em cima da área designada para o serviço e abrir uma alavanca a fim de fazer com que a água a ser descartada corra. Marinheiros de primeira viagem: Ao receberem o veículo na locadora verifiquem se todos os tanques e alavancas estão fechados. Na nossa primeira noite, descobrimos que havíamos recebido o carro com a alavanca da água cinza aberta e a água que estávamos utilizando caía direto onde estávamos estacionados. Ainda bem que foi pouca água, num solo absorvente, assim a vergonha não foi tão grande. 

A água e dejetos do banheiro portátil também têm lugar de descarte: Há um lugar específico para se descartar a água preta/schwarzwasser dos banheiros nos estacionamentos e campings. Geralmente esse serviço se encontra incluso no valor da diária e não é preciso pagar nada a mais por isso. Também encontramos esses totens de descarte em alguns postos de combustível. Há vídeos no youtube indicando a forma correta de fazer o processo de descarte desse tanque, bem como há tutoriais de utilização do vaso sanitário portátil. 

Geralmente as estações para descarga dos dejetos sanitários são como essa da foto acima

Como funciona o uso da eletricidade: Estes veículos possuem um sistema elétrico que você pode alimentar através de uma terminal (tomada) no veículo e um cabo longo próprio – o formato e pinos são específicos. Assim que fizer a primeira parada você vai saber que essa tomada é para ser ligada ao totem de energia que provavelmente se encontrará perto de onde o veículo está parado. Essa conexão vai prover o sistema elétrico do carro, que é usado para alimentar luzes, geladeira, entradas USB e uma tomada convencional 230V para o uso de eletrodomésticos. Em alguns campings e estacionamentos o valor do consumo de energia já está embutido no preço do pernoite, então é só plugar a tomada e usar. 

Ao lado da entrada do tanque de água fresca fica o plugue da tomada de energia que abastece a campervan

Exemplo de totem de energia com funcionamento pago a parte

Em outros casos, é preciso colocar moedas no totem para que a energia seja liberada, se paga cerca de 50 centavos por kWh. Não raro, os estacionamentos possuem um número menor de terminais do que de vagas e pode ser que você fique sem energia. Nos carros mais modernos, o que alugamos inclusive, há uma bateria extra que é carregada tanto pelo funcionamento do motor quanto pela eletricidade e que segura bem por uma noite se você não tiver energia disponível. Ela alimenta luzes, portas USB e geladeira por várias horas sem problema. Marinheiros de primeira viagem: Nem todo eletrodoméstico é ok de usar nessas condições. Tentamos usar uma chaleira elétrica numa das paradas e funcionou bem mas em uma outra ela desarmou o disjuntor no totem e ficamos sem energia por um tempo até descobrir que tínhamos que religar a chave da nossa tomada.

Na alta temporada os estacionamentos para motor home ficam lotados por isso é bom chegar cedo

Normalmente o pagamento do pernoite é feito em máquinas

Saiba quando parar: Se você já decidiu onde vai pernoitar, se ligue para não chegar muito tarde no estacionamento ou camping. Alguns, inclusive, têm horário limite para entrada e saída de veículos. Ficamos em um onde não era possível chegar nem sair entre 22h e 6h da manhã. Outra experiência que tivemos, viajando de campervan na alta temporada do verão europeu, foi que deixando para chegar no Wohnmobilstellplatz depois das 17h é quase certo não ter mais vaga disponível, portanto, comece o dia cedo para conseguir parar cedo e garantir uma boa vaga para passar a noite.

Rapha Aretakis

Viajante e sonhadora em tempo integral. Edito, escrevo e fotografo para o Raphanomundo desde 2010. Nascida no Recife, criada para o mundo, vivendo em Stuttgart, Alemanha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram @raphanomundo