Lago di Como: Varenna

2.5.17

Das cidades que visitei às margens do Lago di Como, sem sombra de dúvidas, Varenna foi a mais charmosa. Gostei tanto de lá que, se um dia voltar à região, gostaria de passar pelo menos uma noite nessa parte do lago.  A exemplo de Bellagio, Varenna também atrai muitos turistas, mas não sei se é pelo recorte da sua costa ou seu histórico, o vilarejo parece mais real, mais autêntico. Na colorida vila de pescadores o tempo aparentemente passa mais devagar, nossa parada foi mais demorada e mais gostosa. Varenna tem vocação e convida o viajante para o slow travel. Com o sol da primavera como companhia durante toda a visita, ficou fácil gostar dessa bucólica cidadezinha de, pasmem, 850 habitantes. 

Ao chegar em Varenna de barco essa é a vista que você terá
Seguimos o mesmo padrão de exploração que usamos durante toda a viagem ao Lago di Como, fomos caminhando, parando, fotografando e vendo o que surgia na nossa rota. E em Varenna não foi diferente, o município tem uma orla linda de morrer, o que faz o visitante parar a cada dois passos para tirar uma foto. Por lá, o que predomina é a inspiração, difícil seguir um roteiro, mais fácil seguir o instinto e foi assim, caminhando meio sem rumo, que chegamos a mais um jardim italiano. Não sem antes passar por uma pequena trilha.

Explore a cidade sem medo de se perder

                            


La Greenway dei Patriarchi

Varenna tem um circuito autoguiado de cerca de 6km para ser feito caminhando. A partir do píer, em Olivedo, onde atracam as ferries que chegam das outras cidades, é só seguir as placas indicativas que o levarão até Pino, distrito de Varenna. Logo no comecinho passamos pela Passeggiata degli Inamorati (Passeio dos Enamorados) que nos leva até o centro histórico da cidade beirando o lago, uma maravilha. Por questão de tempo não fizemos o percurso inteiro, que contempla o Cimitero degli Inglesi e passa pelo rio Fiumelatte. Quem fez o passeio completo diz que é encantador. 

Um raro momento de tranquilidade no "Passeio dos Enamorados"

                          

Esse é o clima do turismo na primavera em Varenna
Villa Monastero

Aproveitamos a abertura do sol para conhecer os jardins da Villa Monastero, que por causa da altitude do terreno onde fica a mansão, é espalhado por vários níveis. O clima ameno da região permite que o Jardim Botânico tenha uma variedade impressionante de espécies, desde plantas exóticas africanas até exemplares da América do Sul, todas elas lindamente debruçadas sobre Lago di Como. De cima, onde fica a casa museu, a vista é apaixonante. A residência foi construída em meados do século XV, sendo reformada e transformada em villa por volta de 1862. O jardim fica aberto entre março e dezembro, a visitação custa 5 euros por pessoa (só o jardim), ou 8 euros por pessoa (jardim + casa).

Os jardins da Villa Monastero estão voltados para o Lago di Como
No nível no lago a visão não fica menos espetacular - Ao fundo o Hotel Villa Cipressi
Um coreto com vista no jardim da Villa Monastero
Chiesa di San Giorgio

Continuando a nossa caminhada, chegamos até a Igreja de São Jorge. Com fortes traços medievais – assim como todo o centro histórico da cidade –, a igreja foi construída na parte alta do povoado por volta de 1200, é a mais antiga da região do Lago di Como. Em frente à igreja encontra-se a praça de mesmo nome, a Piazza San Giorgio. Naquele primeiro fim de semana da primavera a praça estava ainda mais bonita, pois acontecia a quarta edição do PrimaVarenna, uma verdadeira ode à estação das flores. Locais e turistas se misturavam em meio às barraquinhas de flores que tomavam conta de cada parte da praça. Uma graça. 

PrimaVarenna e a Chiesa di San Giorgio
Onde comer em Varenna

Para fechar nossa gostosa visita a Varenna, nós resolvemos procurar um restaurante às margens do Lago di Como, apreciar uma taça de vinho branco gelado e comer algum prato à base de peixe. Já havíamos percorrido boa parte da costa e escolhemos um dos primeiros restaurantes que havíamos avistado no momento do desembarque, o Cavallino – Trattoria dei pescatore. O restaurante tinha um belo e convidativo terraço ao ar livre, de frente para o lago, as sugestões de pratos do dia eram agradáveis, ficamos por ali mesmo. Para começar, pedimos vinho branco da casa (meio litro) e uma Caprese (10 euros), que foi servida junto com pão. Como prato principal eu escolhi o Fritto Misto Lariano (16.50), uma miscelânea de peixes fritos, acompanhada por dois molhos e limão, bem simples e gostoso. O marido escolheu o Gnocchi di Patate del pescatore (14,50), que veio ok. Tudo servido com muita simpatia e em louças belíssimas. Se você achar caro para fazer uma refeição, vale sentar para tomar um drink ou um café e apreciar a vista. 

Almoço com vista em Varenna

            

Eu bem disse que em Varenna a gente tem que se deixar levar e acho que foi por isso, meio que nesse clima de cozinhar sem seguir receita, de improvisação, que essa vila me ganhou. Espero poder retornar um dia.




Leia também

0 comentários

google plus

twitter