Como nosso tempo na cidade era curto – e hoje eu diria curtíssimo – procurei na internet a melhor forma de conhecer os principais pontos e me lembrei do Free Tour que fizemos em Munique. Passei a buscar algo semelhante na capital chilena. Encontrei duas empresas que ofereciam basicamente o mesmo serviço. De antemão guardei o nome, horário e local de encontro da Free Tour Santiago: Diariamente às 10h e às 15h, em frente à Catedral de Santiago – Plaza de Armas.

Na sexta-feira pela manhã seguimos para o ponto de encontro, a princípio, só nós dois, depois chegou o guia – Johnny, um escocês que se encantou por Santiago – e, faltando 5 minutos para a partida, vários viajantes foram se aproximando. Logo, espanhóis, russos, americanos, ingleses, mexicanos, porto riquenhos, peruanos e brasileiros, formavam o grupo que sairia explorando Santiago.










O Tour tem duração de aproximadamente 4 horas e contempla os seguintes pontos: Plaza de Armas, Catedral de Santiago, Correos, Museo de Arte Precolombino (que está fechado até o fim de 2013), Corte Suprema, La Moneda, Bolsa de Comercio, Teatro Municipal, Cerro Santa Lucía, Lastarria – com pausa para um café ou pisco, fomos na segunda opção e quase não terminamos o tour #brincadeira –, Museo de Bellas Artes, Parque Florestal, Plaza Italia, Barrio Bellavista,  Cerro San Cristóbal e, por fim, La Chascona.









Terminando por volta das 14 horas, minha sugestão é almoçar pelas imediações, onde não faltarão opções, e, para otimizar o seu tempo, após o almoço, visite a casa de Pablo Neruda (La Chascona – visitas previamente agendadas no site – $4.000 por pessoa). Já no fim da tarde, suba o Cerro San Cristóbal no Funicular (ida e volta $2.000 - adulto).

Claro que esse free tour dá só uma pincelada nos principais pontos turísticos da cidade. Com tempo, você retorna aos lugares que mais chamaram a sua atenção para curtir de forma mais tranquila. Como diz o nome, o tour é gratuito, mas gorjetas são mais que bem-vindas. Por mais que o guia sugira um valor, como foi o nosso caso – e não achamos isso certo –, sinta-se à vontade para pagar o quanto acha que vale. Ah, o tour é feito em inglês.

MAIS FOTOS NO FLICKR DO RAPHANOMUNDO!