Islândia | Jökulsárlón Glacier Lagoon

Já falei aqui do nosso tour de introdução à Islândia, percorrendo o Golden Circle e as três mais populares atrações turísticas do país. Já mostrei um comparativo entre as duas lagoas islandesas mais famosas, a Blue Lagoon e a Secret Lagoon e te ajudei a decidir qual visitar, além de falar da emocionante experiência de caçar e fotografar a Aurora Boreal e de dar algumas dicas práticas para você planejar sua viagem à Islândia. Entre um post de natureza e outro, mostrei como foi nossa hospedagem no hipster Oddsson Ho(s)tel e também no escandinavo e clean Reykjavík Lights Hotel.

Sim, nos aproximamos do fim dos textos que programei para relatar da melhor forma possível essa que foi a viagem mais incrível que fizemos em 2017 – e talvez na vida inteira. Mas não vamos nos despedir sem antes falar do tour mais bonito de todos.

Jökulsárlón: Um lago repleto de icebergs a 400km de Reykjavík
Durante esses 4 dias pela Islândia nós dedicamos um dia inteiro ao passeio até Jökulsárlón, o famoso lago glacial do país. Reservamos o tour de 14 horas de duração novamente com a BusTravel Iceland e custou 115 euros por pessoa.

O Tour Jökulsárlón Glacier Lagoon

Quando digo que separamos um dia inteiro para esse passeio não é força de expressão, a van nos buscou no hotel às 7 da manhã (no começo de outubro essa hora ainda está amanhecendo em Reykjavík) e retornamos ao hotel por volta das 11 da noite. Extasiados, felizes e tomados pelo sentimento de gratidão e vocês verão os motivos no decorrer do texto.

Antes, preciso dizer que fechamos o passeio mas não sabíamos qual seria a ordem das paradas, só sabíamos que o tour contemplava os seguintes pontos: Cachoeiras Skógafoss e Seljalandsfoss, Vilarejo de Vík, além, claro, da Glacier Lagoon (e um passeio de barco pela lagoa para aqueles que já compraram o tourincluindo o passeio ou adquiriram na hora, no ônibus). O percurso entre Reykjavík e Jökulsárlón é longo, pouco menos de 400km separam os dois lugares. O ônibus faz paradas para café da manhã – onde pudemos provar as famosas panquecas islandesas (Pönnukökur) e para almoço, onde também fomos brindados com pratos da culinária do país. Tudo simples, mas gostoso. Se quiser dar uma economizada na viagem, você pode levar sua própria comida sem problemas.

Vendo o dia amanhecer a bordo de um dos ônibus da BusTravel Iceland a caminho de Jökulsárlón
Parada na imponente Skógafoss
Seguindo para o sudoeste da Islândia a paisagem muda a toda hora
No verão, acredito que a ordem do passeio mude um pouco, mas no período em que viajamos, já considerado inverno, apesar do dia lindo de sol e céu azul que fazia,  a ordem ficou a seguinte: 7:30 - Partida Reykjavík | Parada café da manhã | avistamos o vulcão Eyjafjallajökull | Parada Skógafoss | Parada almoço | Por volta das 15:30 chegada a Jökulsárlón – uma hora e meia de parada | Início do retorno | Parada não programada em uma cachoeira | Parada em Vík quando começava a escurecer | Parada em Seljalandsfoss já escuro | E, por fim, mais uma parada não programada, dessa vez para ver a Aurora Boreal, que apareceu forte no nosso caminho. 

É um passeio que toma tempo e demanda bastante energia, mas te devolve muito mais que isso, então, de cara, digo que vale muito a pena.

O lago glacial da Islândia

O intuito do tour é ir até a lago glacial, sorte a nossa que tem umas cachoeiras e paisagens bonitas no caminho, assim a viagem passa lindamente. Vemos o panorama mudar a cada dezena de quilômetros, ora vemos pasto, ora vemos montanhas imponentes, vulcões, cachoeiras e quedas d’água dos mais variados tamanhos, a Islândia é realmente a natureza em seu estado bruto.

Nem a melhor câmera do mundo consegue passar a dimensão desse lugar, mas uma foto com a GoPro ajuda a ter uma ideia
Jökulsárlón: Gelo, água, chão, céu e eu
Jökulsárlón: Gelo, água, chão, céu e ele
Ao nos aproximarmos da região do Parque Nacional Vatnajökull, vemos a paisagem ser tomada pelo branco do gelo. A geleira, que leva o nome de Vatnajökull e é a maior da Europa, impressiona já de longe. Ao atravessarmos a ponte que passa sobre o rio que corre do lago em direção ao Oceano Atlântico carregando consigo icebergs, a emoção já toma conta. A natureza, que parecia nos engolir todo o caminho até ali, fica ainda maior.

Quem vai fazer o passeio de barco, ao desembarcar do ônibus, corre para se preparar para zarpar, já nós, que preferimos passear pela região, ficamos livres por cerca de 1h30. Eu acho que foi uma decisão acertada optar por não ir no barco, apenas o faria se tivesse ido por conta própria, pois aí teria tempo de sobra para explorar os arredores. Do contrário, fica tudo muito mais corrido. 

O barco que faz o passeio na lagoa e chega mais perto dos icebergs mais antigos
Um iceberg azulado segue em direção ao mar
Tranquilamente partimos para explorar as margens da Glacier Lagoon. O lago é oriundo do derretimento da geleira Vatnajökull, que todo ano durante o inverno acumula neve, e com o calor dos dias de verão, icebergs se partem da geleira e vagam pelo lago. Esses blocos de gelo tem as cores mais inacreditáveis que já vi, são tons de branco, cinza e azul, verdadeiras obras de arte. Aos que querem ir mais perto dos blocos maiores é preferível que faça o passeio de barco. Vale salientar que os passeios só acontecem no verão, pois no inverno há um congestionamento de icbergs na lagoa que impossibilita a navegação.

A praia dos diamantes

Aqueles que  seguem o curso do rio – que segue em direção ao mar – vão se deparar com imensas pedras de gelo bem onde as ondas quebram, na beira-mar. Como se a paisagem do lago e seus icebergs não pudesse ficar mais impressionante, a gente se pega cercado por pedras de gelo de todos os tamanhos com o mar bem na nossa frente. É de tirar o nosso fôlego e nos fazer verter lágrimas. Faltam olhos para ver tudo aquilo que nos cerca.

A areia é preta, de origem vulcânica, o que faz ressaltar ainda mais os icebergs na beira do mar

De longe podem parecer pequenos, mas quando chegamos perto temos a real noção do tamanho desses blocos de gelo
O rio que leva os gelos do lago até o mar
Diamond Beach, como é chamada a praia dos icebergs automaticamente se torna a mais incrível praia que não pude mergulhar. Tentamos interagir  com as pedras de gelo da forma mais boba e óbvia possível: provando. Quando olhamos ao redor, nos damos conta de que todos estão simplesmente embasbacados, fazendo coisas bobas e óbvias. E é impossível não observar que quando estamos diante de algo de tamanha magnitude, regredimos, parecemos frágeis, para só depois, crescermos mais um pouco. Embarcamos no ônibus fazendo o caminho de volta já diferentes do que éramos quando desembarcamos.

Depois dessa experiência posso afirmar: Iceberg tem gosto de gelo hahahah
Jökulsárlón: Gelo, água, chão, céu e nós
E como a natureza parecia que não tinha nos mostrado todas as suas cores, resolveu nos maravilhar de vez e mandar uma Aurora Boreal fechar o dia com chave de ouro. E essa parada, que não estava programada, nos fez voltar pro hotel pequenos como dois grãos de areia, certos da beleza do mundo e de sua grandeza. 


Organize a sua viagem com o Raphanomundo:

Comentários

  1. Amei! Estarei indo em novembro e esse post me ajudou muito! Só uma dúvida. Esses locais são pagos? Ou apenas o passeio de barco?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Que bom que nosso conteúdo te ajudou! :)
      Não, os lugares com atrativos naturais na Islândia não são pagos (excetos lagoas). Se você for por conta própria, nesse caso, teria que pagar o passeio de barco por fora.
      Fica atenta ao tempo em novembro, pois talvez já esteja frio demais e eles não ofereçam o passeio de barco por causa da grande quantidade de icebergs na lagoa.

      Boa viagem ;)

      Excluir

Postar um comentário